20 de abr. de 2022

Final Festival renuac 1ªedicion

 






Finalistas  1º edición Festival RENUAC

Shorts Ficción 
Tom's marbles - France
An exceptional day - France
The Rental - Spain
The Last Celebration - Mexico
The legend of Oriol  - Spain
Mordisquitos - Spain
Fixed - Brasil
How Many More? - Brasil
SILÊNCIO - Mozambique
The Inmortality of words - Spain
Gilberto Cava  - Colombia

Shorts Animation 
Piccolino. An adventure in the city - Spain
Georgina Play Submitted - Brasil
THANK YOU FOR YOUR TEETH! - Romania
Vals&Rumba - Spain
Death Dance  - Peru
Our true heroes - Mexico
The Choice - Argentina
Hello Mum - Italy
CRACK  - Japan
Pandemiau - Chile
FANTA's dream - Mali
Weak Sauce United States

Shorts Documentary 
Five Hearts - United States
Amongst the Plants - Peru
LEONARDO - Italy
Cinema's Women - Spain
Forgotten by the Moon - Mexico
100 years of honorable life - Azerbaijan
Two Rivers - Cocoa and Freedom - Brasil
Áurea - Brasil
TurtleGuards - Malta

Shorts LGTB 
The graffiti - France
FUFU - Japan
Chicos Azules - 12 Retratos I - France
The Last Romantics of The World  - Brasil
Encounter - Mexico
Abismo  - Brasil

Shorts Student  
The wick that touches the oil - India
Phantom - Poland
Quoi qu'il arrive - France
Proud  - Portugal
Copper Train - Argentina
The Lost Frisbee - Spain

Shorts Feminist 
La ultima y nos vamos - México
THE BREATH OF CELIA - Spain
AYUDAME/HELP ME! - Mexico
CONISTANZA - Chile
Ella - Panama
I look into your eyes as I heal what I’ve been wounded - France
Bodies that fight - Chile
Broken Hills - Brasil
Dana - Spain
The flowers you tear out - Spain

Trailer Peliculas y documentarios 
La Vida en Rosas - Chile
Diferencias - Ecuador
Symbiosis - Chile
Into the Mountain  - Brasil
Just a Day - Uganda
Witness - Iran
El grito de la marea - Peru
One Year Pandemic - Portugal

Programa de TV / Internet. 
INFILTRADOS- Spain
CHRYSALIS - Colombia
Magical - Brasil
Shadowhunters | Martes de Series - Chile

WEB SERIES 
GATO THE CAT - a puss with no boots - Brasil
AK - Italy
Ruby/The Foot (series) - United States
FOCUS - Argentina
ChristiAnna  -  Brasil
The Rules of New World - Spain
FAAAIL! - France

Videoclip 
Frau Fleischer Baby I'm free - Italy
Lao Ra - Colombia
Carolina Maria de Jesus - Brasil
Friends - United States
We Heal - México
Sin Savage - Belgium
Hey Men - France
WHERE I'M FROM  - United States
Aquelarre - Colombia
La Malagueña - México


Categoría Mejor actor Chileno

Alejandro Trapp - Corto Disociació 
Francisco Silva - Corto Mandarin 
Alvaro Pruneda - Corto  Web Business
Sergio Beltrán - Corto Benditos Demonios 


Costanza Saat - Corto CONISTANZA 
Javiera Ogaz  -  Corto Vorfreude
Constanza Perez  - Corto  Web Business 
Ketty zamorano - Corto Benditos Demonios 


Categoría Largometraje

HIDDEN DREAMS  - Camarões
I'm tired of waking up next to you - México 
Amores Artificiais Brasil 
Short Cut  - INDIA


Categoría Documentales
The long way to Alejandro Bordon- Argentina 
Have a Nice Trip - United States 
Haigaz por el Mundo Atacama- BRASIL  
Silence  - Mexico

14 de abr. de 2022

34ª Bienal de São Paulo dá início ao Programa de Itinerâncias 2022 no Centro Cultural Vale Maranhão

 



Promovido pela Fundação Bienal em parceria com diferentes instituições culturais, projeto leva recortes da mostra a cidades no Brasil e exterior; primeiras cidades a receber o programa serão São Luís (MA) e Campinas (SP)




A Fundação Bienal dá início, nesta terça-feira, 12 de abril, ao Programa de Itinerâncias da 34ª Bienal de São Paulo – Faz escuro mas eu cantoexposição que recebeu 700 mil visitantes no Pavilhão da Bienal e instituições parceiras, entre 2020 e 2021, além de ter atingido 2,7 milhões de pessoas online.

 

Este ano, a primeira cidade a receber a itinerância será São Luís (MA), com abertura de exposição nesta terça-feira, 12 de abril no Centro Cultural Vale Maranhão e na Casa do Maranhão. A circulação conta com articulação do Instituto Cultural Vale, patrocinador da Bienal através da Lei Federal de Incentivo à Cultura. Logo depois, no dia 26 de abril, o programa abre uma nova mostra em Campinas (SP), em parceria institucional com o Sesc SP.  

 

As itinerâncias foram concebidas por Jacopo Crivelli Visconti, curador-geral da 34ª Bienal de São Paulo – Faz escuro mas eu canto. Para 2022, as amostras foram pensadas a partir de  enunciados, que são eixos temáticos ou objetos que reúnem obras e artistas, estimulando o público a refletir sobre os assuntos apresentados. Este ano, temas como colonização, racismo e questões indígenas fazem parte das discussões abordadas.

 

“As itinerâncias podem ser entendidas, nesse sentido, como metonímias da 34ª Bienal, partes que elucidam o funcionamento da exposição como um todo. Além de cada enunciado local, incluímos o título da 34ª Bienal, Faz escuro mas eu canto. Por meio desse verso do poeta amazonense Thiago de Mello, publicado em 1965, reconhecemos a urgência dos problemas que desafiam a vida no mundo atual, enquanto reivindicamos a necessidade da arte como um campo de resistência, ruptura e transformação”, explica Crivelli Visconti.

 

Mostra itinerante no Centro Cultural Vale Maranhão e Casa do Maranhão

Pela primeira vez um recorte da Bienal é apresentado na cidade de São Luís (MA), iniciativa que se tornou possível por meio da parceria inédita com o Instituto Cultural Vale, o Centro Cultural Vale Maranhão e a Casa do Maranhão. O recorte da mostra que será exibido na cidade é organizado a partir do enunciado Retratos de Frederick Douglass. Douglass  foi  um  homem  público,  jornalista, escritor, orador estadunidense, e um dos  principais  expoentes da  luta  pela  abolição  da  escravidão.  Até  hoje  seus retratos circulam  pelo  mundo  como  símbolo de  justiça  e  liberdade. Assim, sob o olhar penetrante e desafiador de Douglass, este enunciado traz artistas e obras voltados aos processos de colonização, deslocamento, violência e resistência que marcaram e continuam marcando a vida de milhões de pessoas ao redor do planeta. Os artistas cujas obras participam desta itinerância são: Alice Shintani, Arjan Martins, Daniel de Paula, Deana Lawson, Frida Orupabo, Neo Muyanga, Noa Eshkol, e Tony Cokes, Beatriz Santiago-Muñoz, Daiara Tukano, Frida Orupabo, Gustavo Caboco, Jaider Esbell, Paulo Kapela, Paulo Nazareth, Uýra e Victor Anicet.

 

“Caminhar é uma forma de aprender: comunidades e povos do mundo ensinam e compartilham conhecimentos ao caminharem, juntos. Inspirados nesse desejo de movimento e partilha, é que temos a alegria de levar, pela primeira vez para São Luís, obras da 34a Bienal de São Paulo, que também patrocinamos. Dentre eles, os Retratos de Frederick Douglass, por entender a importância do reconhecimento da ancestralidade em suas diversas formas e trajetos, pertencimento e presença no estado do Maranhão. A exposição se divide entre os espaços do Centro Cultural Vale Maranhão e a Casa do Maranhão, propositalmente, buscando criar novos laços entre as casas de cultura do centro histórico de São Luís”, afirma Hugo Barreto, diretor presidente do Instituto Cultural Vale.

 

Sobre o Programa de Itinerâncias da Bienal de São Paulo

O Programa de Itinerâncias da Bienal de São Paulo é uma iniciativa que chega em 2022 à sua sexta edição. A itinerância da 33ª Bienal, em 2019, percorreu oito cidades, sendo uma no exterior, e recebeu um público de mais de 170 mil visitantes. 

 

“O programa aposta na arte e no seu impacto positivo no campo da educação e da cidadania. Parcerias com as instituições em cada local permitem a difusão do trabalho para além do circuito artístico da cidade de São Paulo, chegando a outros olhares e novas sensibilidades. Além das exposições, a iniciativa inclui ações educativas e de difusão, estando alinhada à missão da Fundação de integrar cultura e educação à vida cotidiana”, afirma José Olympio da Veiga Pereira, presidente da Fundação Bienal.

 

Pela iniciativa, além de São Luís (MA) e Campinas (SP), mais sete cidades brasileiras e duas no exterior estão previstas para receber recortes da 34ª Bienal este ano, são elas: Belo Horizonte (MG), Brasília (DF), Campos do Jordão (SP), São José do Rio Preto (SP), Belém (PA), Fortaleza (CE), Juiz de Fora (MG), Santiago (Chile) e Paris (França).

 


Serviço
34ª Bienal de São Paulo - Faz escuro mas eu canto
Programa de mostras itinerantes



Centro Cultural Vale Maranhão

São Luís (MA)
12 abril  – 12 junho 2022

Av. Henrique Leal, 149

De terça à sábado das 10h às 19h

Entrada gratuita

Casa do Maranhão

São Luís (MA)

12 abril  – 12 junho 2022

R. do Trapiche s/n – Centro histórico

De terça à sábado das 9h às 18h

Domingo das 9h às 13:30h

Entrada gratuita

TEATRO KAUS ESTREIA A PEÇA CHUVA DE ANJOS, DE SANTIAGO SERRANO, NO GIOSTRI TEATRO


 


Texto inédito do dramaturgo argentino propõe uma reflexão sobre a solidão e o individualismo nas grandes cidades. Com direção de Reginaldo Nascimento, elenco reúne as atrizes Amália Pereira e Vera Monteiro





 

Com texto inédito do dramaturgo argentino Santiago Serrano, o espetáculo CHUVA DE ANJOS estreia dia 5 de maio, quinta-feira, às 20h30, no GIOSTRI TEATRO. Com pinceladas de ironia e utilizando do recurso do Absurdo, a peça propõe, ao abordar o tema tabu do suicídio, uma reflexão sobre a solidão e o isolamento social nas grandes cidades. Montagem do Teatro Kaus Cia Experimental tem direção Reginaldo Nascimento e reúne as atrizes Amália Pereira e Vera Monteiro.

 



Escrita em 2001, Chuva de Anjos apresenta um diálogo improvável entre duas mulheres em uma praça, rodeadas de edifícios altos, de onde se atiram alguns suicidas. "Um encontro casual entre duas desconhecidas que nos permite visualizar um mundo apocalíptico, mas também reversível. Com humor, estas mulheres expõem suas fraquezas e forças. São um reflexo de nós mesmos, como testemunhas e em parte cúmplices da queda de um paraíso perdido”, afirma o autor Santiago Serrano.

 

A peça fala principalmente do isolamento, da falta de compromisso com o outro em uma cidade de prédios, com paredes que abrigam, mas, também nos encerram em pequenos mundos privados e nos fazem indiferentes ao que sucede ao nosso lado. Enquanto cada personagem, mulher de cinza e mulher de preto, se torna o cenário de sua própria tragédia, os males da contemporaneidade são apontados em um jogo de claro-escuro, de palavra e silêncio, de presença e ausência, e de caídas metafóricas.

 

“Nossa modernidade é alimentada pelo narcisismo e o medo do outro. O mundo virtual é um lago onde nos afundamos, presos por nossa própria imagem. Os habitats estão ficando cada vez menores e o medo nos faz permanecer neles. A rua é uma zona de risco constante e perdeu a possibilidade de ser um centro de participação comunitária. Estamos sozinhos e na defensiva. Foi criado um círculo vicioso onde a única saída para muitos é um salto no vazio, seja metafórico ou concreto”, completa o autor.

 

O espetáculo é focado no trabalho das atrizes, que desenvolvem uma composição cênica que que transita pelo absurdo e o real, o onírico e o trágico, construindo uma cena hibrida. “Diante do público (edifícios), as personagens deixam que, aos olhos da plateia, a imaginação caminhe com a dramaturgia. Abusando da teatralidade, explicitam a angústia dos que buscam uma saída num salto finitivo, no último suspiro que se solta diante da morte”, afirma o diretor Reginaldo Nascimento.

 

O cenário, de Reginaldo Nascimento, que também assina a trilha sonora, apresenta uma praça formada apenas por um banco e uma pequena árvore artificial. Os figurinos, de Telumi Helen, retratam personagens distintas, uma com uma modelagem cheia de rigor e a outra em aparente desconstrução. A iluminação, de Vanderlei Conte, trabalha com matizes de cores que revelam o jogo das atrizes e ampliam e diminuem o campo de visão da cena. A sonoplastia mescla sons de cidade e músicas instrumentais para pontuar transições e acentuar algumas nuances. 

 

A peça fez uma temporada online, gravada de forma remota e exibida no Youtube das Oficinas Culturais do Estado de SP, em outubro de 2021, como uma das contrapartidas do projeto Teatro Kaus 22 anos, beneficiado pelo Proac Lab 47/2020. Em setembro do mesmo ano participou do projeto Artes Cênicas em Processo, do Sesc Pinheiros, com um documentário sobre o processo de criação da peça online. A pesquisa sobre Chuva de Anjos teve início em 2018, com uma leitura encenada na Oficina Cultural Oswald de Andrade.

 

Sinopse: Duas mulheres de personalidades e trajetórias de vida totalmente diferentes se encontram ao acaso em um espaço público. Um evento inesperado é testemunhado por elas, seguidos de outros igualmente contundentes. As interpretações e embates que se seguem são a tradução de mundos distintos que colidem. Será possível o entendimento? A experiência do Humano pode ultrapassar as experiências individuais? Após o final inesperado, poderá o espectador ter convicção total sobre o que aconteceu naquele espaço?

 

Para Roteiro

CHUVA DE ANJOS – Estreia dia 5 de maio de 2022, quinta-feira, às 20h30. Texto: Santiago Serrano. Tradução: Vera Monteiro. Direção: Reginaldo Nascimento. Com o Teatro Kaus Cia Experimental. Elenco: Amália Pereira e Vera Monteiro. Duração: 70 minutos. Gênero: Humor ácido. Recomendação: 14 anos. Ingressos: R$ 40,00 (inteira) e R$ 20,00 (meia). Quintas e sextas, às 20h30. Até 10 de junho. 

 

OBS: No dia 26 de maio, quinta-feira, não haverá apresentação.

 

GIOSTRI TEATRO – Rua Rui Barbosa, 201, Bela Vista, São Paulo, SP. Telefone: 2309-4102. Capacidade 50 lugares. Bilheteria abre uma hora antes do início do espetáculo. Vendas online pelo Sympla. Café. Ar-condicionado. Acesso para pessoas com deficiência. Aceita todos os cartões, exceto vale-alimentação. Estacionamento conveniado na Rua Rui Barbosa, 216, no valor de R$20,00. 

 

Santiago Serrano: Dramaturgo, teatrólogo, psicanalista e psicodramaturgo. Durante os últimos dez anos leciona oficina em diversas cidades da Argentina e outros países como: Brasil, França e Bolívia. Realizou estudos teatrais com Néstor Raimondi, Inda Ledesma, Manel Barceló (Espanha), Williams Wilcox Horme (USA), Enrique Buenaventura (Colômbia), Arístides Vargas (Equador), Augusto Boal (Brasil). Trabalhou como professor de la Cátedra de Grupos da Escola Municipal de Arte Dramática, em Buenos Aires. Criou o Grupo Teatral Encuentros com quem trabalhou até 2002. Ganhou o prêmio de Melhor Obra Original no Festival de Teatro do Centro Cultural Gral San Martín com o texto Dinosaurios, que foi traduzido e encenado no Brasil pelo Grupo Cena, de Brasília. No Brasil também já escreveu em português para uma montagem do espetáculo Eldorado, com interpretação de Eduardo Okamoto; e também a obra Noctiluzes, escrita especialmente para o Grupo Plagio, de Brasília. Ganhou prêmios na América Latina: o 4º Concurso Nacional de Obras de Teatro Breve del Instituto Nacional del Teatro (Argentina) pela sua obra Se mira y no se toca; o 2º prêmio no Certâmen Internacional de teatro da Cidade de Requena (España) organizado por CAT Arrabal com sua obra Sexualmente hablando. Convidado pela Maison des Ecrivains de Paris leciona uma oficina de dramaturgia e várias conferências na Universidade de Grenoble (França). Participou do Projeto Fronteiras realizado pelo Teatro Kaus na cidade de São Paulo, onde fez parte do Ciclo de Debates sobre o Teatro na América Latina e lecionou uma oficina de dramaturgia no Centro Cervantes. Sua obra Por las diez pulgadas de un bárbaro, co-escrita com Pablo García Gámez, foi selecionada como finalista de Pregones Theater's 2007 Asuncion Project na cidade de Nova York. Escreveu ainda as peças: A RevoltaEntre NósMãos LimpasEl MoralesA Pupila As filhas de Eva, entre outras.

 

Reginaldo Nascimento: Ator e Diretor Teatral em constante atividade desde 1990. Fundou o Teatro Kaus Cia Experimental em 1998. Mestrando em Artes Cênicas na Unesp-SP (Linha de Pesquisa Poéticas e estéticas Cênicas), pós-graduado em Metodologia e ensino de Arte, e Licenciatura plena em Artes-Educação Artística. Participou de diversos cursos de formação e aprimoramento com diversos e importantes profissionais. Desde 1993 se dedica especificamente a Direção Teatral e a pesquisa do teatro de grupo, tendo assinado a direção de mais de 20 espetáculos entre eles: Contrarrevolução, de Esteve Soler; Hysterica Passio e O Casal Palavrakis; ambos de Angélica Liddell; O Grande Cerimonial, de Fernando Arrabal; Infiéis, de Marco Antonio de la Parra; A Revolta, de Santiago Serrano; El Chingo, de Edílio Peña; Pigmaleoa, de Millôr Fernandes; Cala a Boca Já Morreu, de Luís Alberto de Abreu; A Boa, de Aimar Labaki; Vereda da Salvação, de Jorge Andrade; Homens de Papel e Oração para um pé de chinelo, ambas de Plínio Marcos. Vêm realizando desde 1994, várias oficinas e cursos em prefeituras, secretarias de cultura e instituições privadas pelo interior do Estado, na capital e outros estados. Organizou e Editou o Livro CADERNOS DO KAUS - O Teatro na América Latina. Organizou e editou os livros Cadernos do Kaus 1º O Teatro na América Latina, publicado no projeto Fronteiras, em 2007, contemplado pelo Programa de Fomento, em 2006; e Cadernos do Kaus 3º Teatro Kaus, Da América Latina à Espanha, 10 anos de dramaturgia hispânica, publicado no projeto de mesmo nome em 2018, contemplado pela 30ª Edição do Programa de Fomento, em 2017, além da revista Cadernos do Kaus 2º Hysterica Passio, publicada no projeto de mesmo nome em 2016, contemplada com o Prêmio Zé Renato de Teatro, em 2015. Em agosto de 2009, idealizou e executou juntamente com o Grupo Kaus e em parceria com o Instituto Cervantes a Mesa de Debates Um Certo Arrabal, evento que trouxe a São Paulo o Dramaturgo Fernando Arrabal, um dos mais importantes da cena Mundial.

 

Teatro Kaus Cia Experimental: O Teatro Kaus Cia Experimentalestá radicado a cidade de em São Paulo desde outubro de 2001, e foi criado em dezembro de 1998, em São José dos Campos, SP, pelo ator e diretor Reginaldo Nascimento e pela atriz e jornalista Amália Pereira. Na capital paulista, a Cia. encenou as peças Contrarrevolução (2018), de Esteve Soler; Hysterica Passio (2015/2017) e O Casal Palavrakis (2012/2014), ambas de Angélica Liddell; O Grande Cerimonialde Fernando Arrabal (2010/2011); A Revolta, do argentino Santiago Serrano (2007); El Chingo, do venezuelano Edilio Peña (2007); Infiéis, do chileno Marco Antonio de la Parra (2006/2009); Vereda da Salvação, de Jorge Andrade (2005/2004) e Oração para um pé de chinelo, de Plínio Marcos (2002). Participou em julho de 2007 do XVIII Temporales Internacionales de Teatro, em Puerto Montt e da Lluvia de Teatro de Valdivia, ambas no Chile, apresentando a peça A Revolta. Em novembro de 2007, lançou o livro Cadernos do Kaus – O Teatro na América Latina, um registro documental sobre todas as ações do projeto Fronteiras – O Teatro na América Latina, realizado pelo grupo durante os anos de 2006 e 2007, beneficiado pela 9ª edição do programa de Fomento ao Teatro para a Cidade de São Paulo. No final de 2015 foi contemplada pela 3ª edição do Prêmio Zé Renato para circulação da peça Hysterica Passio e lançamento de uma revista do mesmo nome, com o texto da peça. Em abril de 2017, foi contemplado pela 30ª edição do Programa Municipal de Fomento ao Teatro para a Cidade de São Paulo, com o Projeto Teatro Kaus – Da América Latina à Espanha – Dez anos de dramaturgia hispânica, para manutenção da pesquisa da Cia e lançamento de mais um livro do mesmo título.

8 de abr. de 2022

13ªediçao do Festival RNAB reúne importantes nomes do cenário mundial de TV e Cinema

 






Award Winner

13ª ediçao do Festival RNAB 


 

Em sua  décima terceira edição, o evento promovido pelo Podcultura Producciones  aconteceu no último dia 5 de abril  por meio do seu canal no Youtube.

O Festival  RNAB (Revelando Novos Atores Brasileiros), festival de curtas-metragens e atores, é o primeiro festival de atores para TV e cinema do Brasil e tem se tornado uma importante ferramenta de promoção de artistas nacionais para o mundo.

Sobre o evento

O festival que sempre ocorre na cidade de São Paulo, na capital paulista, a 13ª edição aconteceu somente on-line levando em conta os protocolos de segurança internacional. 

O festival é marcado por mostras e exibições de filmes (curta metragens), documentários, animações, palestras e debates entre diretores, atores e pessoas ligadas ao mundo do cinema, nacional e internacional. A inscrição técnica para participar do festival é a seguinte:

  • Monólogo de atores,

  • Curta Metragem Estrangeiro,

  • Curta Metragem Brasileiro.

  • Premios especiais

Para esta edição, contou com um exímio time de jurados que  selecionaram os filmes para as mostras competitivas, especiais e atores.



Janet Lee - New York - EE. UU

Produção de filmes - Produtora de audições. Experiência que renomeamos canal de streaming.

Damián Miguel - Buenos Aires - Argentina

Miembro fundador y actual Director del Festival Internacional de Cortos de la Cuenca del Salado.

Isioro Tokunbo Jaboro  - Toronto - Canadá

Canadian base award-winning Director, Producer and Writer with a passion for film.

Jesus Loniego - Madrid - Espanha

Es director, guionista y productor, con varias selecciones nacionales e internacionales

Hamilton Trindade  - Aveiro - Portugal

Realizador e organizador. Festival Internacional de Cinema de São Tomé e Príncipe.

Raúl Guíu - Madrid - Espanha

Cineasta y director de cine. Director del premiado cortometraje "Atávico".

Carlos Henrique Marques - São Paulo - Brasil

Membro da Academia Brasileira de Cinema, membro da AFI – American Film Institute em Hollywood.

 

Herval Rossano Abreu - Santiago - Chile

Herval Rossano Filho foi o diretor responsável pela área de Teledramaturgia do Canal 13 do Chile.

Mercedez jimenez Sánchez - Bogotá - colombia

Productor de casting con más de 20 años de experiencia en televisión y cine.

 

 

 O evento foi apresentado pelos artistas da Série The Basement Woman

 




Marcelo Sólda - ator, cantor e performer. Engenheiro da Computação por formação, iniciou seus estudos na área artística aos 10 anos, estudando música. 

Miguel Ricardo Camilo  - Escritor, editor de filmes, ator e chef de cozinha com vasta experiência na área artística.

 Nadhia Gagaus - atriz brasileira. Iniciou no teatro nos anos 80, e hoje atua também no audiovisual, em longas, curtas e séries.

 Sabrina Brasil - Cantora, atriz e arquiteta .

Tainan Pongeluppe - Cantor e ator com vasta experiência no teatro.



Conheça os premiados de cada categoria na 13ª edição 

 

 

Melhor atriz e ator categoria Monólogos





 

Award Winner

 

Nina Marcci - São Paulo - Brasil

Jefferson Lima - São Paulo - Brasil

 

2º lugar - Stephanny Barbosa - São Paulo - Brasil

2º lugar - Tino Azevedo - Alegre/RS - Brasil  

 

3º lugar - Daniele Rosa - Bahia - Brasil             

3º lugar - Thales di Carmo - Passos/MG - Brasil

3º lugar - Ari Willians Dumont - São Paulo - Brasil


Award Winner

 

Categoria Curtas Fiction: Como Cualquier Otro (Espanha) 

Categoria Curtas Animation: My Mom is an Alien (Canada) 

Categoria Curtas  Documentary: Solo Mother (Brasil) 

Categoria Curtas Feminista: LUST  (México) 

Categoria Curtas LGTB:  Encounter (México) 

Categoria Curtas  Narrative: Sonetos do Sertão (Brasil) 

Categoria Curtas VideoClip: From Now On (Iran) 

Categoria Curtas Web Séries: Ruby/The Foot (United States) 

Categoria Curtas Categoria High School: Short Still Beautiful (India ) 

Categoria Curtas Film trailer and documentary: Korovadu (Chile) 

 

Outras Premiações do evento

 

Categoria Curtas Fiction

Melhor Roteiro original: Como Cualquier Otro (Espanha) 

Melhor elenco Extraordinário: Como Cualquier Otro (Espanha) 

Melhor trilha sonora: A.D.A.M. (Chile)

Melhor ator Coadjuvante: Harry Piekema - Curta Covid Love (Holanda)

Melhor Fotografia:  Covid Love (Holanda)

 

Categoria Curtas Animation

Melhor Roteiro original: A Little Shine (Taiwan) 

Melhor Efeitos Visuais: Piggyback (México)

 

Categoria Curtas Documentary

Melhor Fotografia: We have not lived in vain (Belarus)

Melhor Edição: La Promoción (Espanha) 

Categoria Curtas Feminista

Melhor Roteiro original: 

Melhor atriz principal: Eden Ducourant - Curta Meute (França)

 

Categoria Curtas LGTB

Melhor Roteiro Original:  Encounter (México) 

Melhor Direção:  Encounter (México) 

Melhor elenco Extraordinário:  Encounter (México) 

Melhor ator Coadjuvante:Gaël Kamilindi,Curta So long, Paris! (França)

Melhor atriz mirim: Lucy Pouchoulin ,Curta So long, Paris! (França)

 

Categoria Curtas  Narrative

Melhor Roteiro Original: The Box (Brasil) 

Melhor Fotografia: Sonetos do Sertão (Brasil) 

Melhor Direção:  Sonetos do Sertão (Brasil) 

Melhor elenco Extraordinário: Sonetos do Sertão (Brasil) 

 

Categoria Curtas VideoClip

Melhor produção: Sorte (Portugal)

Melhor letra de música: Emicouto feat Lill Lucaxxx - Covid 19 (Brasil) 

 

Categoria Curtas Web Séries

Melhor Roteiro Original: I, Coach - the series (Brasil)

Melhor Narração:The Painter On Safari (United Kingdom)

Melhor Efeito Sonoro: Monday Tuesday Banana United (Kingdom)

 

Categoria High School

Melhor Roteiro Original: Perdidos em Casa (Brasil)

Melhor Fotografia: Mia (Espanha) 

 

Categoria Curtas Film trailer and documentary

Melhor Roteiro original: The Village of Big Dreams (Nigéria)

Melhor Fotografia: Marine Elegy (Itália) 

 

Mostra Paralela na Categoria Curtas Feminista

Award Winner - One more time (Ukraine) 

Melhor atuação - María José Magán  - Curta Reflejo (México)

 

Mostra Paralela  na Categoria Curtas LGTB

Melhor Roteiro original: Don't Call Me That (Brasil)

 

Prêmios especiais mulheres

Prêmio especial do júri: Ashes (Iran)

Melhor Roteirista Feminina: La Última Y Nos Vamos (México)

Melhor Diretora Feminina: Virtual Guard (Argentina)

 

 

Mais informações sobre a programação e  inscrições

e outros detalhes podem ser encontrados no

site https://festivalrnab.wixsite.com/edicao2021/team-1 e ou podem ser obtidas via e-mail (festivalrnab@gmail.com)




 

Sobre curadora/fundadora:Sandra Camillo, radicada no Chile é curadora de cinema,

diretora, roteirista e atriz premiada em grandes festivais internacionais. 




Wikipedia

 

Instagram:

https://www.instagram.com/festivalrnab/

 

Video da premiaçao:



 

Contato para a imprensa:

e-mail: festivalrnab@gmail.com