Episodio 7 - A refém. #cativeiro​ #violenciaemcasa

1 de mar. de 2021

Ivan Baron, o influencer da inclusão, revela 5 frases capacitistas que devem ser banidas do seu vocabulário para já

 




Ivan Baron (Foto: Divulgación)

Parece inofensivo, pero no lo es. Ciertas declaraciones refuerzan estereotipos que deberían haberse dejado atrás hace mucho tiempo: “El capacitismo tiene varias caras y puede estar presente en actitudes cotidianas comunes”, advierte Iván.


¿Cuántas veces has escuchado la expresión "qué lío" sin siquiera pensar realmente en el significado literal? ¿Y cuántas veces has oído hablar del capacitismo? El término menos conocido de lo que debería hacer referencia a la discriminación de personas con cualquier tipo de discapacidad. Ivan Baron, conocido como el “influencer de la inclusión”, explica el término: “A menudo digo que el capacitismo es de la misma familia que el racismo, LGBTfobia, machismo, y la violencia en este caso está dirigida a personas con discapacidad. Este tipo de prejuicio no se ha creado recientemente. Al contrario, siempre ha existido ”.

 


Desde discursos claramente prejuiciosos hasta situaciones cerradas, como películas que exponen actores con algún tipo de discapacidad en papeles degradantes, el humor soso de las situaciones capacitistas no es discreto, la hora se disfraza entre frases hechas de la vida cotidiana. Pensando en ello, Ivan enumeró 5 frases capacitantes que no debes usar y una alternativa para cada una. Revisa:

 

Nunca:  "¡Qué lío!"

Uso: ¡  Qué tonterías hiciste! "

 

Nunca : "eres retrasado"

Uso:  "No tienes ni idea"

 

Nunca:  "¿Estás ciego, verdad?"

Uso:  "Presta más atención a las cosas".


Nunca:  "Ve a buscarlo, tienes dos piernas y dos brazos".

Uso : "Deja de ser vago, ve a buscarlo".

 

Nunca:  "No habla con nadie, parece una persona autista"

Uso:  En este caso, no utilice nada. El consejo es respetar la personalidad de cada uno.

 

Descubre más sobre Ivan Baron


Nacido en Rio Grande do Norte, Ivan Baron, de 23 años, ha llevado su voz a todo Brasil. Todavía un niño, de tan solo 3 años, se vio afectado por una grave infección alimentaria que le dejó secuelas: Parálisis Cerebral, provocando discapacidad física y movilidad reducida. En contraste con lo esperado, la condición no limitó al potiguar, que siguió conquistando su espacio y enarbolando la bandera de la representatividad. Hoy, con alrededor de 60 mil seguidores en Instagram y más de 120 mil en Tiktok, ya ha dado conferencias en varias escuelas y, aunque no era su objetivo en un principio, se hizo conocido como el “influencer de inclusión”.

Obtenga más información sobre Ivan Baron:

https://linktr.ee/ivanbaron

“Quando tudo isso passou”: Curta metragem de animação integra a “Força Tarefa - Unicamp contra Covid-19”

 


El Instituto de Artes de la Unicamp y el Centro de Animación y Animación de Campinas (NCAC) se unieron al “Task Force - Unicamp contra Covid-19” y produjeron el cortometraje “Cuando pasó todo esto”, una caricatura  con  reflexiones sobre la pandemia del coronavirus.

El cortometraje trae la historia de un científico que busca la medicina para la enfermedad, pero que además de investigar y temas relacionados con la salud física y los hábitos de higiene, reflexiona sobre cómo la solidaridad, la comprensión y el amor son fundamentales en tiempos de pandemia. La película está disponible en el canal de televisión de Unicamp en Youtube, en este enlace:  https://youtu.be/9a4QI7aTq4Y .

El texto es por el propio director, Wilson Lazaretti, profesor en el Instituto de Artes de la Unicamp,  con  contribuciones de ocho ex alumnos de la animación, estudiantes, principalmente de las Artes Plásticas de la Unicamp curso,  con  cada uno trabajando de forma remota desde su casa. La producción es de Maurício Squarisi, del Centro de Animación Animación de Campinas. Una de las implicadas es la joven Isabella Brum, de 20 años, estudiante de segundo año de Artes Visuales en la Unicamp. “Tratamos este tema del coronavirus de una manera un poco más divertida. Es un video  con  un carácter más esperanzador, para dar luz a la gente ”, comenta, quien ve en el proyecto también una oportunidad para evolucionar y aprender más sobre la técnica de la animación.

Task Force - Unicamp contra Covid-19

El Task Force de la Unicamp contra el Covid-19 es una iniciativa de la Universidad Estatal de Campinas que pone su infraestructura y todos los recursos humanos y financieros al servicio de la sociedad en la lucha contra uno de los mayores males de la historia de la humanidad. Hoy, el Grupo de Trabajo de la Unicamp contra Covid-19 trabaja arduamente con los gobiernos municipal, estatal y federal para obtener los recursos necesarios para expandir aún más su capacidad de acción. Para obtener más información:  http: //www.ftcovid19.unicamp. br /index.html




Núcleo de cine de animación de Campinas: rendimiento virtual mejorado durante la cuarentena

Con  más de 45 años de experiencia, el Centro de Cine de Animación de Campinas, dirigido por Wilson Lazaretti y Maurício Squarisi, mantiene sus actividades en pleno desarrollo, respetando el aislamiento social y utilizando el entorno virtual. Además de la implicación  con  el cortometraje “Cuando todo esto haya pasado”, hay novedades que incluyen un curso de animación online y lanzamiento de libro.

El codirector del Núcleo, Maurício Squarisi, lanzó un curso en línea sobre dibujos animados de autor, que permite a los estudiantes crear su propia producción de animación. Disponible en la plataforma  Diálogo Produções Culturais , las clases duran 1h30, incluida una clase de presentación inicial gratuita. El curso está recomendado para mayores de 12 años, y no es necesario tener experiencia ni  con el  dibujo, ni  con la  animación, porque es este rasgo personal el que se aplicará en la creación de tu película.

Esta propia metodología desarrollada por el Núcleo, de hecho, es la base del libro "Manual do Pequeno Animador", recientemente lanzado por Wilson Lazaretti.  Después de una campaña de crowdfunding a principios de año, el libro "Manual do Pequeno Animador", escrito por el fundador y codirector del Centro de Cine de Animación de Campinas, Wilson Lazaretti, está disponible para la venta a través del sitio web  https: // ncaonline . tienda integrada. com . br / small-animator-manual .

El "Manual Do Pequeno Animador" trae cuestiones del arte de la animación, más filosóficas que técnicas, que reflejan una metodología específica construida por Lazaretti, en su trabajo junto a Maurício Squarisi en los 45 años del Centro de Cine de Animación de Campinas, presente tanto en la dinámica de sus talleres, así como en las obras de autor de sus dos directores.

"Es un manual sobre parte de lo que se aprende y parte de lo que se enseña sobre animación y dibujos animados", comenta Wilson Lazaretti, quien interviene en la obra comenta sobre el nacimiento de la animación y su evolución, el lenguaje del cine y algunas cuestiones técnicas sobre el dibujo, entre otros temas,  con  narrativas basadas en los más de 2500 talleres de animación que el Centro de Animación Animación de Campinas realizó en todo el mundo, transformados en fábulas. El libro ganó la importante contribución de la animadora búlgara Radostina Neykova, quien realizó las ilustraciones.

Durante el mes de febrero de  este año,  la campaña de crowdfunding del "Manual do Pequeno Animador" funcionó como preventa del libro. El lanzamiento oficial sería en Monstra, el Festival de Animación de Lisboa, en Portugal, pero debido a la pandemia, el evento se suspendió, por lo que, por ahora, las ventas se concentran en Internet.

Conozca más sobre el Centro de Animación Cinematográfica de Campinas

Maurício Squarisi y Wilson Lazaretti tienen una larga trayectoria en la animación. Juntos, en 1975, fundaron el Núcleo de Cine de Animación de Campinas, entidad que dirigen hasta hoy y conquistó un lugar importante en la escena de la animación brasileña, produciendo un género de animación dedicado exclusivamente a la producción independiente. Los talleres de animación del Centro ya se han impartido a niños, jóvenes y adultos en casi todo el territorio brasileño, además de Argentina, Portugal, Dinamarca, Suecia, Estados Unidos, entre otros países. Para obtener más información, visite el blog de Campinas Animation Cinema Nucleus, en  http: // nucleodeanimacaodecampinas. blogspot. com /




¡Revisa!

Quando tudo isso passou: Animação de alunos da Unicamp sobre coronavírus: http://www.ftcovid19.unicamp.br/index.html

Livro Manual do Pequeno Animador: https://ncaonline.lojaintegrada.com.br/manual-do-pequeno-animador

Curso on-line de desenho autoral: https://dialogosproducoes.com/courses/curso-de-desenho-animado-autoral-com-mauricio-squarisi/

Blog do Núcleo de Cinema de Animação de Campinas: http://nucleodeanimacaodecampinas.blogspot.com/


Sarau Viva Nordeste - 2da edición destaca a artistas femeninas durante el Mes de la Mujer

 


Festival virtual:

Sarau Viva Nordeste – 2ª edição destaca artistas femininas durante o mês da Mulher



Teodoras do Cordel (Palestra Espetáculo - 05/03)


Em março, o mundo todo reforça o apoio à luta diária das mulheres por respeito e direitos. E a 2ª edição do Sarau Viva Nordeste, festival virtual em homenagem à cultura nordestina, durante o mês da mulher, também vai celebrar a força feminina, dando destaque ao talento das mulheres artistas em sua programação de transmissões artísticas, oficinas e palestras gratuitas, transmitidas ao vivo pelos canais do Youtube e Facebook.

As atrações semanais do evento, que começou no dia 04 de fevereiro e vai até o final de março, tem como convidados artistas nordestinos, ou artistas com forte ligação com a produção cultural do Nordeste, cujo trabalho está sediado no Estado de São Paulo, principalmente na cidade de Campinas.

No dia 04/03, quinta-feira, às 19h30, tem Sarau Aperitivo: Canções poderosas para mulheres arretadas, com a cantora e compositora recifense, radicada em Campinas, Vanessa Oliveira. De timbre peculiar, Vanessa conheceu muito bem a diversidade musical do Nordeste do Brasil. Em seu currículo como cantora, tem participações em grandes projetos ao lado de artistas como Alceu Valença, Elba Ramalho, Naná Vasconcelos, entre outros. Como compositora, tem parcerias gravadas com a banda Mamelungos, Raphael Costa e Thiago Hoover.

Dia 05/03, sexta-feira, às 19h30, o coletivo feminino Teodoras do Cordel apresenta a Palestra Espetáculo: Mulheres em Ação na Arte do Cordel. O coletivo é formado por mulheres que atuam em diversas frentes relacionadas à cultura do cordel, como escritoras, xilógrafas, poetisas, cordelistas, contadoras de histórias, professoras, atrizes, cantoras e pesquisadoras que defendem o cordel sem censura, opressão ou machismo. Dani Almeida, uma das idealizadoras e produtoras do Sarau Viva Nordeste, é uma das artistas do grupo, que também atua para mapear e promover a produção feminina do cordel no Estado de São Paulo. A pernambucana radicada em Campinas há 10 anos, é autora de dezenas de cordéis infantis e adultos, como “Luta Contra a Violência Feminina em Literatura de Cordel” , obra selecionada para integrar a 34ª edição do programa Criança Esperança, da Rede Globo de Televisão, em 2019.

Já no dia 06/03, sábado, às 14h, será transmitido o Grande Sarau: Força Feminina e Nordestina, com a participação de vários artistas, entre eles, a escritora, poetisa e dançarina, Bill Dias, integrante do Grupo Folia da Cidade, que há vinte anos se dedica a estudar e vivenciar as danças populares maranhenses e pernambucanas. Artista plástica, cantora lírica e popular, participa de três projetos coletivos voltados à literatura e também integra o coletivo Pretas Incorporações. O sarau recebe também a contadora de histórias Maria Cândida, autora de diversas peças infantis, mediadora de leitura, performer poética e pesquisadora de cultura popular e das artes nordestinas. O premiado grupo de forró pé-de-serra Maria Lua, formado pela cantora, triangulista e acordeonista Lis Ferraz, o zabumbeiro Josi Morais e Arturzinho do Acordeon também se apresenta no Grande Sarau, bem como Tin Tin Alves, cordelista, contista e cronista autor de dezenas de livretos de cordel. Graduado em letras e especialista em literatura, foi premiado pelo MinC (Ministério da Cultura) como Mestre de Culturas Populares Leandro Gomes de Barros em 2017. Quem completa o elenco do dia é o professor de arte e escritor de literatura de cordel, contos e poesia, Luciano Braga, co-fundador do grupo multicultural Cordel Cantante,  ator e fundador do grupo de contação de história e teatro de rua “Contos, Cantos e Encantos’, e da Cia. De Teatro Ator’Doados.


Oficinas culturais
Toda programação do Sarau Viva Nordeste - 2ª edição é gratuita e aberta, com transmissão pelo Youtube e Facebook. A exceção são as oficinas culturais - que precisam de inscrição prévia - também gratuitas. As próximas oficinas são: “Capas de cordéis”, “Encontro do cordel com a xilogravura” e “Música Nordestina”, todas com acompanhamento de intérprete em libras, e uma oficina de encerramento, de construção de bonecos com sucata. As inscrições podem ser feitas direto pelo site www.sarauvivanordeste.com.br.

Na oficina “Capas de Cordéis”, que começa no dia 08 de março, os participantes poderão conhecer técnicas da xilogravura, gravura com isopor, argila e colagem para o desenvolvimento de capas de cordéis com a utilização de materiais que normalmente seriam descartados. O "Encontro do cordel com a xilogravura" pretende oferecer aos participantes um mergulho poético, artístico e literário pela cultura regional nordestina e suas manifestações artísticas populares, a partir da produção de cordéis, retratados em versos, rimas, métricas e xilogravuras. 

A oficina de “Música Popular Nordestina” propõe apresentar aos participantes os folguedos e suas estruturas melódicas, harmonias, características e instrumentação, com práticas voltadas à mistura do tradicional com o popular. Ela será ministrada pelo paraibano Gilber Souto Maior. Mestre em Música pela Unicamp (2014) e bacharel em violão erudito pela USC – Bauru (2009) sempre teve em sua vida acadêmica e artística a cultura popular do nordeste brasileiro como referência. Cordelista, é fundador e coordenador do grupo Madureira Armorial, que desde 2011 se dedica à música erudita baseada nos folguedos populares do nordeste, com um álbum lançado em 2015, totalmente didático, sobre o movimento armorial de Ariano Suassuna e a vida do escritor brasileiro.

Fundado em Salvador/BA, em 1994, o GRUMALUC Teatro de Bonecos comanda a oficina de Construção de Bonecos com Sucata. Com mais de 25 anos de experiência na área cultura, espetáculos de bonecos, 25 peças e mais de 10 mil apresentações, a dupla autodidata Márcia e Teca atua na região de Campinas desde o ano 2000 especialmente com espetáculos infantis para arte-educação, e parcerias com entidades como Mata de Santa Genebra, Estação Ambiental de Joaquim Egídio, Museu de História Natural, entre outras.


Sobre o Sarau Viva Nordeste
Ao longo dos meses de fevereiro e março de 2021, o Sarau Viva Nordeste – 2ª edição, festival virtual de homenagem à cultura nordestina, abre espaço para diversas apresentações de artistas sediados no estado de São Paulo, especialmente em Campinas/SP. São vários formatos: os ‘saraus aperitivos’ são uma espécie de pocket show virtual, que acontecem à noite, durante a semana; as rodas de conversa trazem à tona diálogos com coletivos e movimentos que têm o Nordeste como referência em seus fazeres artísticos. Com edições semanais, as palestras espetáculos querem despertar no público a sensação de estar em uma grande plateia, como num teatro, casa de show ou centro cultural. Os sábados são reservados para os Grandes Saraus, com mais de três horas de duração, reunindo numa mesma tarde diferentes artistas e variadas performances. Todos os eventos são transmitidos ao vivo pelas redes sociais. 

Esta nova edição do Sarau do Nordeste foi selecionada pelo Edital ProAc Expresso Lei Aldir Blanc 40/2020, e tem produção da Diálogos Produções Culturais. O projeto nasceu do encontro da cordelista pernambucana, arte educadora e jornalista Dani Almeida com a produtora cultural campineira Janice Castro. Engajada em diversas atividades nos espaços culturais de Campinas, a dupla decidiu fortalecer o espaço para a cultura nordestina a partir da sua região. 

SERVIÇO
Sarau Viva Nordeste - 2ª Edição
Até 27 de março de 2021
Programação completa: www.sarauvivanordeste.com.br
Transmissão: Youtube e  Facebook 

Programação de março:
04/03 - (5ª) -  19h30 - Sarau Aperitivo: Canções poderosas para mulheres arretadas, com  Vanessa Oliveira.
05/03 - (6ª) - 19h30 - Palestra Espetáculo: Mulheres em ação na arte do cordel, com o coletivo feminino Teodoras do Cordel.
06/03 - (sáb) - 14h - Grande Sarau: Força Feminina Nordestina, com Bill Dias (música e poesia), Maria Cândida (contação de histórias), Trio Maria Lua (forró pé-de serra), Tin Tin Alves e Luciano Braga (teatro e poesia).
 
08 a 11/03 -  das 14h às 15h - Oficina Capas de Cordéis, com Nireuda Longobardi (necessária inscrição prévia pelo site www.sarauvivanordeste.com.br) Evento com tradução em Libras
11/03 (5ª) - 19h30 - Palestra Espetáculo: Afronordestinas, com o Grupo La Cantante de La Trinidad e sus hijos.
12/03 (6ªf) - 19h30 - Roda de Conversa: Cordéis Femininos nas Bibliotecas, com o coletivo feminino Teodoras do Cordel.
 
15/03 a 18/03 - das 10h às 11h - Oficina: Encontro do cordel com a xilogravura, com Marco Haurélio e Lucélia Borges (necessária inscrição prévia pelo site www.sarauvivanordeste.com.br) Evento com tradução em Libras
18/03 (5ªf) -  19h30 - Sarau Aperitivo: Fadices e Bruxarias nas Terras do Cangaço, com  Suzana Montauriol e Carlos Rezendes.
19/03 (6ªf)  - 19h30 - Palestra Espetáculo: No ritmo do Coco, com o Grupo Coco Yiawarete
20/03 (sáb) - 14h - Grande Sarau: Nordeste do faz e conta e encanta, com Cleusa Santo (contação de histórias), Samuel de Monteiro (cordel), Juliana Firmo (teatro) e Aldy Carvalho (música regional).
 
22 a 25/03 - das 14h às 15h - Oficina: Música Nordestina, com Gilber Souto Maior (necessária inscrição prévia pelo site www.sarauvivanordeste.com.br) Evento com tradução em Libras
23 a 26/03 – das 10h às 11h – Oficina: Construção de Bonecos com Sucata, com Grumaluc – Teatro de Bonecos  (necessária inscrição prévia pelo site www.sarauvivanordeste.com.br)
25/03 (5ª ) - 19h30 - Sarau Aperitivo: Comidas nordestinas, com Chef Marcelo Reis e a cantora Ilcéi Mirian.
26/03 (6ª) - 19h30 - Palestra Espetáculo: Encantos Circenses Nordestinos, com o Grupo Último Tipo.
27/03 (sáb) - 14h - Grande Sarau: Nordeste Circense, com Palhaço Custelinha (performance circense), Edimaria e Miro Cena (música e contação de histórias), Varneci Nascimento (cordéis divertidos)  e Ana Person (música).


26 de fev. de 2021

NOTA DE FALECIMENTO DA ATRIZ BERTA ZEMEL




Morreu ontem, no final da tarde, a atriz Berta Zemel, aos 86 anos. Na madrugada de 25 de fevereiro, deu entrada no PS do Hospital Santa Catarina, em São Paulo, com dificuldade respiratória sendo internada na UTI em decorrência de broncopneumonia. Passou o dia estável, mas ao final da tarde, seu estado piorou vindo a óbito.

Berta Zemel foi uma grande atriz do Teatro e Cinema brasileiros. Estudou na Escola de Arte Dramática de SP, estreando profissionalmente, em 1956 com a peça Hamlet de Shakespeare, no Teatro Sergio Cardoso (Teatro Belo Vista na época).

Foi casada com o ator e diretor Wolney de Assis (falecido em 2015) e os dois juntos fundaram o Teatro Móvel de São Paulo que além de produzir e viajar pelo Brasil com espetáculos a companhia também ministrava cursos de formação de ator.

Em 1972 Berta protagonizou a novela Vitória Bonelli, escrita por Geraldo Vietri. A novela fez estrondoso sucesso chegando a alterar o horário de missas e de sessões de cinema entre setembro de 1972 e julho de 1973. É considerado seu melhor trabalho para a TV. 



Depois de quase vinte e cinco anos sem representar, Berta conhece o trabalho da médica Nise da Silveira e resolve montar uma peça sobre a vida da psiquiatra. No ano de 2000, Berta volta aos palcos com Anjo Duro.  A peça estreou em 19 de março de 2000 em Curitiba, sob direção de  Luiz Valcazaras.  A peça lhe rendeu o prêmio APCA de melhor atriz em 2000 e uma indicação ao prêmio Shell como melhor atriz.

Mesmo sem estar nos palcos Berta Zemel continuou ministrando aulas, tanto na companhia, como em sua casa, de forma particular, para muitos famosos, nomes que ela nunca revelava.


No cinema destacam-se os filmes  Desmundo, de 2002, dirigido por Alain Fresnot, deu vida à dona Branca e acabou conquistando o Troféu Candango de melhor atriz coadjuvante na 35ª edição do Festival de Brasília.



Depois  O Casamento de Romeu e Julieta, de Bruno Barreto, gravado em 2004 e lançado em 2005 interpretou a Nenzica.  E em A Casa de Alice, de 2007, fez Dona Jacira, a mãe da protagonista Alice.


Wolney e Berta não tiveram filhos, dedicaram suas vidas ao fazer teatral , a formar atores e diretores  (de teatro e cinema) profissionais, deixando um legado para o Teatro, Cinema e Televisão.


 Última entrevista https://www.youtube.com/watch?v=nmT0rB9-dio&fbclid=IwAR3EZ9qNlgv7wQ-zhW_XgYntr3SIFYklNTESMvgzp_6WJrp6UDvx_Tpbcps

16 de fev. de 2021

Festival de atores para TV e Cinema, FESTIVAL RNAB EDIÇÃO 2021

 




FESTIVAL RNAB EDIÇÃO 2021


Venha ver e seja visto, o festival tradicional de atores para TV e cinema está de volta com a edição 2021.


Conheça edições anteriores e os artistas que tiveram êxitos em suas carreiras após participação no evento, equipes técnicas que fizeram parte dos eventos anteriores e as novidades da nova edição.


***** As novidades para 2021


Jurado Internacional de Los Angeles, Argentina, Chile, Uruguay e Brasil .

Os nomes serão revelados na terceira fase do evento como nas edições anteriores.

Os textos são exclusivos escritos pela roteirista e fundadora do evento Sandra Camillo

 

Primeira fase: recebe um texto no email e grava sem assistência de atuação

Segunda fase: recebe um texto no email e grava COM  assistência de atuação

Terceira e última fase: Atuação em grupo, gravados por separado desde casa.


Os atores podem se inscrever diretamente pelo site ou rede social do evento, basta preencher o formulário para receber o texto. 


Cada ator ou atriz terá 15 dias para gravar o primeiro texto. 


A inovação para edição  2021, é que assistiremos na prática cada artista.


Sandra Camillo, fundadora do Festival RNAB, vem inovando a cada dia na área de artes, seu projeto atual se chama “A Mulher do Porão", uma websérie com atrizes voluntárias de diversos países com o tema Feminicídio e violência de gênero.


Um projeto criado para ajudar famílias que buscam  pessoas desaparecidas, vivas ou mortas.


Com o apoio de grupos de pessoas extraviadas e desaparecidas, a produtora e atriz Sandra Camillo vem colocando em prática, tips de ajuda e imagens reais de casos ocorridos em diversas partes do mundo. 


O projeto é realizado com zero recursos financeiros até o momento.


Os artistas inscritos no evento terão seus vídeos publicados a partir da segunda temporada. 


O enredo da história é a exposição de arte “Nem uma a menos” da artista feminista  personagem Katrina, protagonista da temporada 1. 


A exposição acontecerá de forma real em Los Angeles, Buenos Aires, Chile e Brasil. 

Os atores inscritos no festival que chegarem à segunda fase do evento, terão seus nomes no elenco da Série. 


O Que vai contar :

Atuação, criatividade, fidelidade ao texto, desenvoltura e naturalidade.


Todos artistas terão seus vídeos publicados nas redes sociais, site do evento como resultado do festival RNAB de forma individual e na série por tempo eterno (Incluindo Podcultura e da própria criadora do evento) .


Inscricoes abertas RNAB Mostra (Festival Rnab)


https://www.facebook.com/FestivalRNAB/


Padrinhos da edição anterior: Raymundo de Souza e Eliana Fonseca 

 


8 de fev. de 2021

Livro trata sobre a síndrome de Münchausen por transferência

  


O segredo de Rose Gold

Stephanie Wrobel

 

Trad: Ryta Vinagre

308 pág. | R$ 44,90

 

 

Ed. Verus | Grupo Editorial Record



Eleito pela Marie Claire uma das melhores ficções escritas por mulheres em 2020 e um dos livros mais esperados pelos leitores da Goodreads e Newsweek, O Segredo de Rose Gold chega ao Brasil pela Editora Verus.

O assunto, que além das sessões de terapia já foi parar nos noticiários, é agora publicado em formato literário com o título O segredo de Rose Gold, de Stephanie Wrobel. Na obra, a autora fala sobre a síndrome de Münchausen por transferência (ou procuração), que afeta principalmente as mães, fazendo com que elas fantasiem doenças em seus filhos, com o objetivo de atrair atenção. Eleito pela Marie Claire uma das melhores ficções escritas por mulheres em 2020, incluído no top 10 lançamentos da primavera da Publishers Weekly e um dos livros mais esperados pelos leitores da Goodreads e Newsweek, a obra chega ao Brasil pela Editora Verus.

 

Será que por trás de uma mãe superprotetora, sobrecarregada com os cuidados de uma filha doente, pode estar escondendo um transtorno? Em O segredo de Rose Gold, Stephanie Wrobel mostra que sim. O thriller conta a história de Rose Gold Watts que viveu por 18 anos acreditando estar seriamente doente. A menina era alérgica a tudo e vivia em hospitais. Chegou a pensar que precisasse mesmo da sonda gástrica, das cirurgias, da cadeira de rodas. Os vizinhos faziam o possível para ajudar, mas, não importava por quantos médicos Rose passasse, quantos exames ou cirurgias realizasse, ninguém sabia o que havia de errado com ela.

 



 


Acontece que a mãe dela, Patty Watts, é uma ótima mentirosa. E, após cinco anos na prisão, onde cumpriu sua sentença pelo crime de abuso infantil, ela está finalmente livre. Enquanto ainda acertava suas contas com a justiça, Rose passou a visitá-la no cárcere, mesmo sendo a testemunha contra os delitos da mãe. Para Patty, porém, ela própria era a grande vítima, julgada e condenada, injustamente, pelo juiz e pela imprensa.

 

Apesar das mágoas, o objetivo de Patty agora é fazer as pazes com a filha e cuidar do neto. Assim, quando Rose Gold concorda que Patty vá morar com ela, parece que o relacionamento entre mãe e filha está, de fato, caminhando para a reconciliação. Mas Rose Gold conhece a mãe. Patty sempre acerta suas contas. Só que, infelizmente para ela, Rose Gold não é mais sua filhinha querida... e estava apenas aguardando que a mãe voltasse para casa.

 

Narrando a perspectiva da mãe e da filha, Stephanie Wrobel consegue fazer do seu primeiro livro um thriller emocionante. Explorando as perversidades da vida real e as transformando em uma verdadeira perturbação literária, O Segredo de Rose Gold (Ed. Verus) revela que quem rir por último, realmente, ri melhor. Os fãs de Louca obsessão e Objetos cortantes vão se apaixonar por esse lançamento da Editora Verus.

 

SOBRE A AUTORA

Stephanie Wrobel nasceu e cresceu em Chicago. Leitora voraz quando criança, seu fascínio pela linguagem a levou a trabalhar como redatora em agências de publicidade. Depois de se mudar para a Inglaterra, em 2014, começou a escrever seu primeiro romance, O segredo de Rose Gold. Atualmente ela mora em Londres com o marido e o cachorro e escreve em tempo integral.

 

 

Amor e luto no novo romance de Brittainy C. Cherry

 




Eleanor & Grey

Brittainy C. Cherry

 

Tradução: Thalita Uba

406 pág. | R$ 49,90


Brittainy C. Cherry publica mais um romance de tirar o fôlego pela Editora RecordCom texto de orelha de Carina Rissi, Eleanor & Grey é um livro sobre amizade, família, perdas e, acima de tudo, amor. Amor de todas as formas.

É possível dois universos completamente diferentes ocuparem o mesmo espaço? E, ainda, viverem um amor que desafia até o destino? Em Eleanor & Gray (Ed. Record), Brittainy C. Cherry mostra que sim. O menino popular e a garota nerd da escola vivem um bom romance adolescente, que torna a leitura ainda mais necessária e emocionante quando somado a narrativa recheada de boas doses de ironia, as dificuldades em enfrentar o luto e, sobretudo, a importância de todas as formas de amor.

 


 

 

 


 


Além da família, a única paixão de Eleanor Gable era por Harry Potter. Para ela, era difícil ser uma pessoa introvertida e viver em um mundo extrovertido, por isso seus únicos programas possíveis eram assistir Mister Rogers com a sua mãe e ler (e ler muito!). Por outro lado, seus pais não esqueciam a boa fase que viveram no ensino médio e sempre a incentivavam a sair – um incentivo que era quase uma ordem –. E foi em uma festa que Eleanor conheceu Greyson. Ele era sua outra metade, em um mundo onde as metades em nada se parecem com você.

 

Greyson era o típico garoto popular e irritantemente lindo, de acordo com todas as meninas da escola (incluindo Eleanor).  Mas isso não era tudo. Apesar de ter uma vida financeira bem confortável, era cada vez mais perturbador presenciar a relação dos pais e, com a perda do avô, o seu ponto de apoio, as coisas estavam ainda mais complicadas. A única pessoa que se permitiu a enxergar toda a sensibilidade por trás do astro do basquete do colégio foi Eleanor, a menina de cardigã amarelo com libélulas. O primeiro contato, durante a festa, não foi exatamente uma cena de clichê adolescente, mas não demorou muito para eles perceberem que um precisava do outro.

 

A Sra. Gable, mãe de Eleanor, estava perdendo uma batalha difícil para o câncer. E foi exatamente nesse momento que Grey apareceu na sua vida. Os encontros, cada vez mais divertidos –e íntimos – foram a válvula de escape para ela (e também para ele, que tentava lidar com a morte do avô pela mesma doença). O quase início de namoro precisou ser interrompido por um motivo maior: a matriarca da família Gable quis passar seus últimos meses perto do mar, na Flórida. Eleanor jamais negaria isso. No início, eles tentaram manter o contato, mas a distância e a nova rotina com a faculdade, não foram muito aliadas dessa relação.

 

Anos mais tarde, Eleanor pensa ter deixado seu primeiro amor no passado, mas o caminho dos dois volta a se cruzar. Só que, dessa vez, quem precisa de ajuda é Greyson. O problema é que ele já não é mais o garoto doce de suas lembranças. Agora, com duas filhas e viúvo,  Grey East, presidente da EastHouse Whisky, se tornou um homem frio, insensível, e o elo especial que um dia partilharam parece ter se rompido para sempre.

 

Com texto de orelha de Carina Rissi, Eleanor & Grey (Ed. Record)  é um delicioso romance de tirar o fôlego que agradará fãs de Jojo Moyes, John Green, Nicholas Sparks, Shophie Kinsella e Marian Keyes. É impossível não se apaixonar por essa história de amor e amizade escrita pela autora que já encantou incontáveis fãs com seus livros.

 

SOBRE O AUTOR

Brittainy C. Cherry é formada em artes cênicas, com especialização em escrita criativa pela Carroll University, em Wisconsin. Quando não está escrevendo, adora brincar com seus bichinhos de estimação. Também é autora de Sr. Daniels, No ritmo do amor, Vergonha, ABC do amor, As cartas que escrevemos e dos títulos da série Elementos: O ar que ele respira, A chama dentro de nós, O silêncio das águas e A força que nos atrai, todos publicados pela Editora Record. Ela mora com a família em Milwaukee, Wisconsin.

Inédito, primeiro livro da autora de A cor púrpura chega ao Brasil

 



A TERCEIRA VIDA DE GRANGE COPELAND

Alice Walker

 

Tradução: Carolina Simmer e Marina Vargas

 

Páginas: 336

 

Preço: R$59,90


A terceira vida de Grange Copeland, livro de estreia de Alice Walker, chega inédito ao Brasil pela Editora José Olympio. Walker é reconhecida mundialmente pelo romance A Cor Púrpura, vencedor do Prêmio Pulitzer de 1993, também editado pela JO no país. No livro inédito, é possível perceber a estrutura opressora racista como eixo da narrativa de Alice Walker desde sua primeira obra.

 

““Quase ninguém tentou nos contar sobre o início da vida, sobre a vida íntima das pessoas negras […]. Alice Walker é uma contadora de histórias.”

– The New Yorker

 

“Alice Walker nos comove ao enfatizar a humanidade que compartilhamos com seus personagens […]. Uma narrativa densa, honesta e sensível […] atenuada pelos momentos de humor e afeto que ajudaram homens e mulheres a suportar tanta tragédia […]. Walker parece segura em deixar que narrativa, caracterização e acontecimentos, a alma de um romance, falem por si mesmos.”

– Chicago Daily News”.