Como tirar o esmalte rápido

16 de nov. de 2020

Alice Braga e Camila Márdila estão em inédito podcast de ficção ambiental

 






AÇÃO DE VISIBILIDADE PARA GOLFINHO MAIS AMEAÇADO DO PAÍS TAMBÉM TRANSFORMOU A TONINHA EM INFLUENCIADORA DIGITAL NO INSTAGRAM

É da atriz Alice Braga a voz da introdução do podcast “Toninhas: a extinção do golfinho invisível”. É ela quem faz a abertura do inédito podcast e alerta para o risco de  desaparecimento da espécie que vive no planeta há mais de um milhão de anos. Alice alerta que há quatro décadas a população das toninhas vêm diminuindo de forma significativa. O programa de ficção ambiental tem Camila Márdila como Bárbara, a personagem principal, e conta ainda com Nelson Baskerville e Luisa Micheletti no elenco. A iniciativa, do projeto Conservação das Toninhas, com apoio do Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (FUNBIO), tem como objetivo dar visibilidade a este que é o golfinho mais ameaçado de extinção do país. Novos episódios entram no ar semanalmente em todas as plataformas digitais (https://anchor.fm/toninhas).

Na história, a atriz Camila Márdila é Barbara, uma jornalista investigativa de uma grande redação no Sudeste do país que é deslocada para cobrir uma tragédia ambiental em Ubatuba: o aparecimento de 33 carcaças de toninha na beira de uma praia. A personagem, inicialmente sem ligação alguma com pautas ambientais, aos poucos é convertida para a causa e mergulha nas questões que cercam a toninha. Ao final de cada episódio, o podcast traz entrevistas com cientistas e especialistas que explicam não só as características das toninhas, mas também as razões para a urgência nos esforços de conservação da espécie.

No Instagram, a toninha é a influenciadora digital @toninha_pontoporia. A ideia é mostrar que, mesmo invisível para a maioria, sua extinção pode influenciar a vida de todos nós. Hoje, acredita-se que haja cerca de 20 mil toninhas no país, espalhadas entre Rio Grande do Sul e Espírito Santo. Elas são tímidas e têm comportamento discreto, o que talvez explique por que são pouco vistas e conhecidas. Ameaçadas de extinção, as toninhas vivem em grupos que vão de 2 a 30 animais e podem ser encontradas também nos vizinhos Uruguai e Argentina.

O projeto Conservação da Toninha, que começou em 2015, é o maior esforço coordenado já feito no Brasil sobre a espécie. A pesquisa cobre toda a área em que esses golfinhos se encontram no país, do Rio Grande do Sul ao Espírito Santo. Ao longo destes cinco anos, enorme e inédito conhecimento vem sendo produzido. Informações sobre o tamanho dessa população, sua genética, distribuição pelo nosso litoral e a biologia da espécie são algumas delas. Entre as razões encontradas para a redução de sua população estão a perda de seu habitat, a poluição e sua captura acidental em redes de pesca.

A realização do Projeto Conservação da Toninha é uma medida compensatória estabelecida pelo Termo de Ajustamento de Conduta de responsabilidade da empresa Petrorio, conduzido pelo Ministério Público Federal – MPF/RJ, com implementação do Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (FUNBIO).


Sobre o FUNBIO

O Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (FUNBIO) é uma organização da sociedade civil privada, nacional, sem fins lucrativos, que trabalha em parceria com os setores empresarial, governamental, acadêmico e com a sociedade civil para que recursos estratégicos e financeiros sejam destinados a iniciativas efetivas de conservação da biodiversidade.

Desde o início das atividades, em 1996, o FUNBIO já apoiou mais de 300 projetos que beneficiaram mais de 250 instituições em todo o país. Tem extensa experiência na gestão de projetos e de ativos financeiros oriundos da cooperação internacional, de doações do setor privado e de obrigações legais do setor empresarial brasileiro.

O FUNBIO não trabalha com recursos do orçamento público brasileiro. Em 2015, foi acreditado como Agência Implementadora Nacional do GEF e, em 2018, como Agência Implementadora do GCF. Desde 2018, adota as políticas de salvaguardas sociais e ambientais da Corporação Financeira Internacional, IFC.

Nenhum comentário: