26 de nov. de 2021

Projeto Latitude leva galerias brasileiras para a Art Basel Miami Beach 2021 e UNTITLED.ART, contabilizando 86 apoios em 2021

 



Zéh Palito. I Swam Against Their Waves, 2021. Acrílica sobre tela. 160 x 125 cm. Galeria Simões de Assis.


Novo site do Projeto tem estreia marcada para 29 de novembro e garantirá acesso mais rápido, intuitivo e atualizado às ações realizadas


Com o apoio do Projeto Latitude, 13 galerias brasileiras encerram 2021 e marcam presença na Art Basel Miami Beach 2021, primeira edição presencial da Art Basel em Miami desde 2019, e uma galeria apresentará suas obras na UNTITLED, Art Miami Beach 2021.

 

Na Art Basel Miami Beach, que acontece de 2 a 4 de dezembro, as galerias A Gentil Carioca, Gomide & Co, Casa Triângulo, Fortes D'Aloia & Gabriel, Galeria Estação, Galeria Jaqueline Martins, Galeria Luisa Strina, Galeria Millan, Luciana Brito Galeria, Mendes Wood DM, Nara Roesler, Simões de Assis e Central Galeria representarão o Brasil entre 254 importantes galerias internacionais, vindas de 36 países, para apresentar obras de arte de altíssima qualidade em todas as mídias, de pintura e escultura a fotografia e obras digitais.

 

Já na UNTITLED, Art Miami Beach, que acontece de 29 de novembro a 4 de dezembro, na 12th Street e Ocean Drive, em uma estrutura personalizada na praia com apresentações com curadoria, eventos ao vivo e performances de artistas, será a vez da Portas Vilaseca Galeria representar o Brasil entre mais de 145 galerias e organizações internacionais.

 

Com esses dois eventos, o Projeto Latitude - Platform for Brazilian Art Galleries Abroad, uma parceria da Associação Brasileira de Arte Contemporânea (ABACT) e Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), contabiliza 86 apoios às galerias associadas em 2021, entre feiras presenciais, online e plataformas internacionais, levando o trabalho de grandes nomes da arte nacional para o mundo.

 

Além disso, 2021 ainda reserva mais uma novidade: no dia 29 de novembro será a estreia do novo site da ABACT e do Projeto Latitude. Com design moderno e minimalista, a plataforma será mais intuitiva, fácil de navegar e será linkada com as redes sociais da Associação, o que permitirá atualizações constantes referentes às ações do Projeto, feiras internacionais das quais as galerias associadas estejam participando, bem como se houver artistas representados por elas expondo no exterior. Basta clicar em http://www.latitudebrasil.org/ e conferir o conteúdo.

 

 

Art Basel Miami Beach 2021

 

Com o objetivo de fortalecer as relações do sul global, a galeria A Gentil Carioca apresentará um stand em parceria com a galeria sul-africana Goodman Gallery e exibirá novos trabalhos dos artistas Agrade Camíz, Aleta Valente, Ana Linnemann, Arjan Martins, Jarbas Lopes, João Modé, José Bento, Laura Lima, Marcela Cantuária, Maxwell Alexandre, Maria Nepomuceno, OPAVIVARÁ!,Rodrigo Torres, Vinícius Gerheim e Vivian Caccuri. Também será apresentada, no setor Meridians, uma obra especial de Maxwell Alexandre, da série “Novo Poder”- um desdobramento de “Pardo é Papel”, feito para explorar a ideia da comunidade preta dentro dos templos consagrados para contemplação de arte: galerias, museus e feiras.

 

A galeria Gomide & Co, apresenta o projeto solo da artista Habuba Farah (Brasil, 1931). Lançar luz sobre a obra de Habuba Farah é não só corrigir mais uma das muitas falhas e lacunas da história da arte brasileira na segunda metade do século 20, como é, também, a possibilidade de tornar essa história ainda mais rica e complexa. Nos anos 1950, seu interesse por geometria é o ponto de partida  para uma reflexão particular sobre a possibilidade de movimento, a cor e a luz. Como definiu o crítico brasileiro, Mario Schenberg, a obra de Habuba Farah é uma abstração geométrica lírica. Em suas pinturas convivem duas questões aparentemente opostas, ao mesmo tempo interessada na potência e precisão matemática das formas geométricas e, também, na liberdade de uma atmosfera cromática delicada e complexa.

 

Para a sua estreia presencial na Art Basel Miami Beach, a Central Galeria apresenta "Words Starting With Letters Are Utterly Humane" (“Palavras que começam com letras são tão humanas"), de Mariana Manhães: uma instalação que pretende criar o seu próprio bioma, uma paisagem ciber-entrópica que evoca a pergunta “Qual a linguagem das coisas milenares?”. Este novo corpo de trabalho aponta para uma nova etapa na pesquisa de Manhães, agora focada em materiais orgânicos como argila crua e gesso pedra. Eles são usados junto de tecidos, dispositivos eletrônicos e outras mídias para criar esculturas que se conectam umas às outras. Pequenos elementos articulados por motores se movem em resposta a animações em vídeo, que exibem elementos da natureza se movendo e fazendo sons, como se comunicassem uma linguagem ininteligível.

 

A galeria Fortes D’Aloia & Gabriel retorna à Art Basel Miami Beach com um diálogo entre peças novas e históricas de seus artistas representados, com obras de Leda Catunda, Simon Evans ™, Sergej Jensen, Ernesto Neto, Yuli Yamagata, Erika Verzutti e Lúcia Laguna que, por quase duas décadas, dividiu sua pintura em três corpos de trabalho: Paisagens, Jardins e Estúdio. Essa divisão aponta para a indissociabilidade entre a prática da artista e seu estúdio caseiro, localizado em um bairro suburbano da Zona Norte do Rio de Janeiro. Através de um processo colaborativo com seus assistentes, um vocabulário muito particular emerge nas pinturas de Laguna, definido na edição e reedição de imagens e no uso de diferentes tintas. Assim, embora a paisagem ao redor do estúdio do artista possa ser a mesma, seu deslocamento para o plano pictórico sempre ocorre por meio de uma nova jornada - por meio de composições e temperaturas específicas.

 

Pela primeira vez, a Galeria Jaqueline Martins (São Paulo / Bruxelas) e a Galeria Labor (Cidade do México) apresentarão um projeto colaborativo na Art Basel Miami Beach. Tendo em comum um programa que reúne artistas históricos com contemporâneos mais jovens, as duas galerias selecionaram um conjunto de obras de arte que busca representar a variedade de mídias e pesquisas que constituem sua orientação curatorial. Os destaques da Galeria Jaqueline Martins incluem pinturas inéditas feitas por Lydia Okumura durante a década de 1980, novas esculturas de Daniel de Paula e pinturas produzidas por pedro frança no contexto de sua próxima exposição na galeria..

 

Galeria Luisa Strina representa quarenta artistas, sendo mais da metade deles brasileiros, e os demais da América Latina e da Europa. Sua ênfase é colocada na escultura e instalação minimalista, muito derivada do legado da Arte Povera. Suas apresentações costumam focar nas relações espaciais e materiais entre artistas de diferentes gerações e, para 2021, a galeria vai mostrar artistas que tiveram condições sociais e políticas moldando sua prática artística, provocando diálogos e reflexões sobre as mídias e símbolos usados para apoiar/traduzir o assunto e a preocupação de cada geração.

 

Galeria Millan apresenta uma seleção de obras de seis artistas: Lygia Pape, Lygia Clark, Mira Schendel – alguns dos maiores nomes do Neoconcretismo no Brasil, cujo estilo e linguagem influenciaram artistas posteriores e cuja arte artística a produção reverbera até hoje – em consonância com Nelson Felix, Tunga e Paulo Pasta, aclamados artistas contemporâneos. Um dos objetivos da Galeria Millan é evidenciar a ligação entre artistas de diferentes épocas, estabelecendo, assim, uma relação entre distintas gerações.

 

Assim como um reconhecimento da evolução da pesquisa e do fazer artístico dentro do discurso contemporâneo, para essa edição da Art Basel Miami Beach, a Luciana Brito Galeria apresenta um conjunto de obras que reflete seu comprometimento com o debate artístico, difusão e inserção das produções nacional e internacional, numa curadoria que aborda um cruzamento entre as diferentes linguagens e abordagens, próprias da contemporaneidade. Isso se dá por meio de um conjunto de trabalhos de Waldemar Cordeiro, com a obra “Jornal” (1964), estabelecendo um diálogo uníssono com obras de Hector Zamora, com “Ecomuro 14 Blanco” (2021) e Regina Silveira que, em sua mais recente pesquisa, produziu tapeçarias coloridas que retratam a riqueza e diversidade da fauna brasileira, que despertam sentimentos paradoxais de beleza e agressividade, ironia e romantismo, grandiosidade e impotência.

 

Além disso, a Luciana Brito Galeria apresenta uma parceria inédita com a Galeria Estação, reforçando a preocupação de ambas com a valorização da arte no Brasil como uma saída inclusiva e social, tendo em vista as atuais problemáticas enfrentadas. A Galeria Estação apresenta obras de Amadeo Luciano Lorenzato, Cícero Alves dos Santos (Véio), Moisés Patrício e Santídio Pereira.

 

galeria Mendes Wood DM  apresentará obras dos artistas Alvaro Barrington, Neil Beloufa, Paloma Bosquê, Heidi Bucher, Adriano Costa, Sonia Gomes, Vojtech Kovarik, Amadeo Luciano Lorenzato, Matthew Lutz-Kinoy, Daniel Steegmann Mangrané, Paulo Monteiro, Cassi Namoda, Paulo Nazareth, Antonio Obá, Rosana Paulino, Solange Pessoa, Paulo Nimer Pjota, Hariel Revignet, Maaike Schoorel, Paula Siebra, Marina Perez Simão, Lucas Arruda, Kishio Suga e Rubem Valentim. Fundada em 2010 pelos sócios Felipe Dmab, Matthew Wood e Pedro Mendes. A Mendes Wood DM tem o intuito de exibir artistas internacionais e brasileiros em um contexto propício ao diálogo crítico e polinização cruzada. No centro do programa da galeria está a preocupação com a diferença regional e individuação, ao mesmo tempo em que estimula o cosmopolitismo e a colaboração.

 

Para Art Basel Miami Beach, a galeria Nara Roesler apresenta uma seleção de obras recentes de seus artistas representados, entre eles Elian Almeida, Carlito Carvalhosa, Tomie Ohtake, Vik Muniz, Daniel Buren, Antonio Dias, Cristina Canale, Daniel Senis, Marcelo Silveira, Marco A. Castillo, Maria Klabin, Rodolpho Parigi, Artur Lescher, Abraham Palatnik, Heinz Mack, Julio Le Parc, Karin Lambrecht, Lucia Koch, Brigida Baltar, Bruno Dunley, Fabio Miguez, Manoela Medeiros, Sergio Sister, Virginia de Medeiros, Alexandre Arrechea e Raul Mourão. O projeto evidencia as diversas abordagens destes artistas na busca pela compreensão dos limites da abstração, da figuração e da espacialidade, oferecendo um diálogo formal e processual entre diferentes gerações de artistas das Américas e na Europa. Enquanto um conciso grupo de esculturas apresentado serve como ponto de reflexão sobre a extensão destas investigações formais no espaço, o objetivo principal da seleção é revelar como os artistas têm buscado de forma consistente um acordo com certos fundamentos e cânones dos processos artísticos, buscando transcender e desafiar sua natureza muitas vezes categórica.

 

Já a galeria Simões de Assis apresenta uma seleção de obras de Abraham Palatnik, Ascânio MMM, Carmelo Arden Quin, Emanoel Araujo, Frank Ammerlaan, Gonçalo Ivo, Juan Parada, Judith Lauand, Julia Kater, León Ferrari, Lygia Clark, Marina Weffort, Mestre Didi, Miguel Bakun, Niobe Xandó, Rubem Valentim, Sérgio Camargo, Willys de Castro e Zéh Palito, cujo trabalho estabelece um diálogo transgeracional que atravessa os últimos cem anos da arte na América Latina, tendo como linha guia as rupturas com a tradição, a experimentação material, e a reescrita das narrativas históricas.

 

 

UNTITLED,Art Miami Beach

 

Por fim, para a edição de 2021 da UNTITLED, Art - Miami Beach, a Portas Vilaseca Galeria apresenta a produção mais recente dos artistas brasileiros Mano Penalva, Pedro Victor Brandão, Rafael Baron e Zé Carlos Garcia, todos representados pela galeria carioca. No stand proposto para a feira, um dos destaques é a obra “Luto Tropical”, de Zé Carlos Garcia. Composto por um conjunto de peças que articulam fragmentos do mobiliário colonial português com penas e plumas, esse grande painel sinaliza um mergulho nas origens, na diversidade e nas ambiguidades de um continente tropical, além de promover um encontro dos tempos dos móveis que já não existem, das aves que já não voam, do fim iminente, e do luto.

 

 

Serviço: 

 

Art Basel Miami Beach 2021 - 2 a 4 de dezembro

Untitled Art Miami Beach 2021 - 29 de novembro a 4 de dezembro

 

 

Sobre o Latitude - Platform for Brazilian Art Galleries Abroad

O Latitude é um programa desenvolvido por meio de uma parceria firmada entre a Associação Brasileira de Arte Contemporânea - ABACT e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos - Apex-Brasil, para promover a internacionalização do mercado brasileiro de arte contemporânea. Criado em 2007, conta hoje com 65 galerias de arte do mercado primário, localizadas em sete estados brasileiros e Distrito Federal, que representam mais de 1.800 artistas contemporâneos. Seu objetivo é criar oportunidades de negócios de arte no exterior, fundamentalmente através de ações de capacitação, apoio à inserção internacional e promoção comercial e cultural.

 

O volume das exportações definitivas e temporárias das galerias do projeto Latitude vem crescendo significativamente. Em 2007, foram exportados US$ 6 milhões e, de acordo com a última Pesquisa Setorial Latitude publicada, em 2018 atingiu-se mais de US$ 65 milhões. As galerias Latitude foram responsáveis por 42% do volume total das exportações do setor no ano.

 

Desde abril de 2011, quando a ABACT assumiu o convênio com a Apex-Brasil, foram realizadas 48 ações em mais de 26 diferentes feiras internacionais, com aproximadamente 300 apoios concedidos a galerias Latitude. Neste mesmo período, foram trazidos ao Brasil aproximadamente 250 convidados internacionais, entre curadores, colecionadores e profissionais do mercado, em 23 edições de Art Immersion Trips. Além dessas ações, o Latitude realizou cinco edições de sua Pesquisa Setorial, com dados anuais sobre o mercado primário de arte contemporânea brasileira.

Nenhum comentário: