Buscar
http://www.podcultura.com.br/images/no-exists.gif



Destaques

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

http://www.podcultura.com.br/userfiles/_b49db5d89b0100c93189857b424efe871489422076.jpg
http://www.podcultura.com.br/userfiles/_b49db5d89b0100c93189857b424efe871489422448.jpg
http://www.podcultura.com.br/userfiles/_b49db5d89b0100c93189857b424efe871489422557.jpg
Cursos, Editais e Concursos
CAIXA CULTURAL SÃO PAULO OFERECE OFICINA BASEADA NA ESTÉTICA DO OPRIMIDO
A oficina, ministrada pelos arte-educadores Andréa Veruska e Vagner Montenegro, utiliza jogos e técnicas do arsenal do Teatro do Oprimido, criado por Augusto Boal,
contribuindo para qualificar os profissionais da educação e a formação cidadã dos participantes.
 
 
 
 
Ilustração: Java Araújo
 
CAIXA Cultural São Paulo apresenta de 03 a 08 de outubro de 2017 a Oficina Estética do Oprimido, ministrada pelos arte-educadores pernambucanos Andréa Veruska e Wagner Montenegro e realizada pela Casa Mecane. Essa ação propõe um processo de formação e capacitação gratuita na Estética do Oprimido, a última técnica do Teatro do Oprimido (TO), criada pelo teatrólogo Augusto Boal (1931-2009).  Sua utilização como linguagem artística favorece o processo de construção da cidadania, amplia a criatividade e a capacidade da crítica à realidade social, tendo como público-alvo artistas, estudantes, educadores e educadoras, surdos/as e ouvintes que desejam utilizar o Teatro do Oprimido no ensino das artes, pedagogia e áreas afins.
 
Visando a inclusão cultural e social de pessoas com deficiência auditiva, a oficina contará com intérpretes de Libras (Língua Brasileira de Sinais), garantindo, assim, a defesa de direitos e promovendo a inclusão dos surdos no segmento da cultura, do teatro e da arte/educação.
 
A oficina acontecerá de terça a domingo, das 14h às 18h, com carga horária total de 24 horas-aula. As inscrições podem ser realizadas no período de 01 a 25 de setembro pelo site www.nextope.com (informar nome, idade, profissão e currículo resumido na ficha de inscrição). Serão disponibilizadas 25 vagas e a idade mínima para a participação é 18 anos.
 
De acordo com o arte-educador Wagner Montenegro “essa atividade visa contribuir para o desenvolvimento das dimensões simbólica e cidadã dos indivíduos, por meio da disseminação da Estética do Oprimido, metodologia teatral ainda pouco explorada, que assegura à população o pleno exercício dos seus direitos, garantindo o acesso a fontes culturais e a apropriação dos meios de produção de cultura, que permite ao cidadão comum a sua livre expressão estética e propõe uma transformação da realidade social a partir do diálogo e da ampliação da capacidade crítica do ser humano.” Dessa maneira, faz surgir, nas pessoas atendidas pelo projeto, direta e indiretamente, a consciência de que todos podem — e devem — se expressar artisticamente, transformando a si mesmo e àqueles que estão à sua volta.
 
O Teatro do Oprimido “valoriza os saberes, os conhecimentos e as experiências dos indivíduos no cotidiano das comunidades em suas esferas político-sociais, fortalece a vivência coletiva, as formas de expressões artísticas das comunidades e cria, nos sujeitos, o sentimento de autoestima e pertencimento no mundo em que vivem, o que contribui para a resolução dos problemas individuais e coletivos”, explica a arte-educadora Andréa Veruska.
 
Sobre Augusto Boal
Diretor, dramaturgo, escritor, professor, ensaísta e defensor dos direitos humanos, tendo dirigido mais de quarenta peças, Augusto Pinto Boal nasceu no Rio de Janeiro em 1931 e foi uma das mais representativas personalidades do teatro contemporâneo internacional com uma obra traduzida em mais de vinte línguas.  Formado em Engenharia Química, mudou-se em 1950 para os Estados Unidos onde, na Universidade de Columbia, cursou dramaturgia na School of Dramatics Arts com John Gassner, professor de Tennessee Williams e Arthur Miller.
 
Ao retornar ao Brasil, em 1956, foi convidado por  Sábato Magaldi e José Renato para dirigir o Teatro de Arena de São Paulo, que revolucionou a estética do teatro brasileiro nas décadas de 50 e 60, contribuindo vigorosamente para a criação de uma dramaturgia genuinamente nacional. Dirigiu o show Opinião, com Zé Kéti, João do Vale e Nara Leão.
 
No ano de 1971, criou, ao lado de uma equipe de jovens, o Teatro Jornal – 1ª Edição, experiência que se utiliza de 12 técnicas para revelar as informações distorcidas que saíam nos jornais impressos no período da ditadura. Preso e torturado, Boal foi exilado nesse mesmo ano, mas prosseguiu sua carreira no exterior, onde permaneceu por cinco anos e desenvolveu a estrutura teórica dos procedimentos do Teatro do Oprimido, inspirada nas propostas do educador Paulo Freire. Em 1986, sete anos após a anistia, retorna ao Brasil.
 
A convite do então Secretário de Educação do Estado do Rio de Janeiro, Darcy Ribeiro, passa a dirigir a Fábrica de Teatro Popular com o objetivo de tornar a linguagem teatral acessível a todos, com o estímulo ao diálogo e à transformação da realidade social. Nesse ano, junto com artistas populares, inaugura o Centro de Teatro do Oprimido do Rio de Janeiro – CTO-Rio, para difundir o Teatro do Oprimido no Brasil.
 
Em 1992, foi eleito vereador da cidade do Rio de Janeiro pelo Partido dos Trabalhadores (PT e começou a trabalhar com o Teatro-Fórum e, a partir da intervenção dos espectadores, criar projetos de leis. Esta técnica ficou conhecida como Teatro Legislativo.
 
Sua última pesquisa foi a Estética do Oprimido, programa de formação estética que integra experiências com o som, a palavra, a imagem e a ética. Em 2008, foi indicado ao Prêmio Nobel da Paz, em virtude de seu trabalho com o Teatro do Oprimido aplicado nas ruas, hospitais, presídios e escolas do Brasil e de mais de setenta países. Em março do ano seguinte, foi nomeado pela Unesco embaixador mundial do teatro. Augusto Boal morreu no dia 02 de maio de 2009, aos 78 anos, no Centro de Tratamento Intensivo do Hospital Samaritano, em Botafogo, na Zona Sul do Rio, por insuficiência respiratória..
 
 
MINI BIOGRAFIA – ANDRÉA VERUSKA
Atriz e arte-educadora formada no Curso de Licenciatura em Artes Cênicas pela Universidade Federal de Pernambuco (2007) com especialização em Arte/educação pela Universidade Católica de Pernambuco (2011). Como arte-educadora, ministrou cursos para as prefeituras de Santa Cruz de Capibaribe e de Olinda, o Espaço Criança Esperança de Jaboatão, o Movimento Pró-criança, entre outros.
Como atriz, participou dos seguintes espetáculos: O círculo de giz caucasiano (2003), direção de João Denys; Luzia no caminho das águas(2006), dirigido por Eron Villar e Alexsandro Souto Maior; O amor de Clotilde por um certo Leandro Dantas (2010) e De Íris ao arco-íris(2013), ambos encenados por Jorge de Paula. Em 2015, estreou a peça Las Mariposas, com encenação de Maria Agrelli. E atuou no seriado Fim do Mundo, dirigido por Hilton Lacerda.
 
MINI BIOGRAFIA – WAGNER MONTENEGRO
Cientista Social, ator e arte-educador, graduado em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Pernambuco (2013), com estudos em Antropologia pela Universidade Nova de Lisboa, Portugal (2012). Desde 2004 trabalha em espaços e projetos socioculturais de desenvolvimento e participação comunitária na Região Metropolitana do Recife. Recebeu formações da equipe de Curingas do Centro de Teatro do Oprimido do Rio de Janeiro – CTO-Rio e do Augusto Boal. Foi multiplicador do Teatro do Oprimido pela ONG Pressão no Juízo – Centro de Estudos, Pesquisas e Ações em Teatro, Arte/Educação e Cultura por quatro anos. Atualmente desenvolve ações como roteirista e documentarista, tendo participado da pesquisa, criação e finalização dos filmes Pai Não é Visita e Laço Branco, do Instituto PAPAI. Integra o elenco do espetáculo Deixa Ser Eu, da Hazzô e Las Mariposas, do NEXTO.
 
CASA MECANE
Desde que iniciou sua atuação, a Casa Mecane esteve envolvida direta e indiretamente, produzindo, co-produzindo, patrocinando, apoiando ou sediando mais de 50 projetos nas áreas de Teatro, Dança, Circo, Música, Literatura, Poesia, Artes Visuais e Cinema.
produção cultural já realizou 05 projetos aprovados no edital FUNCULTURA-PE (2008, 2009, 2012, 2015, 2016), 01 projeto contemplado no prêmio Funarte De Teatro Myriam Muniz (2012) e 04 projetos selecionados no edital de ocupação da Caixa Cultural (2013 e 2017).
Recebeu em 2012 o prêmio do Festival Janeiro De Grandes Espetáculos pela iniciativa a favor da produção artística local, tornando-se símbolo de resistência artística e exemplo de empreendedorismo cultural na cidade de Recife.
 
 
FICHA TÉCNICA

Produção Casa Mecane
Idealização: Andréa Veruska e Wagner Montenegro
Arte-Educadores: Andréa Veruska e Wagner Montenegro
Consultoria editorial: Heber Costa
Produção executiva: Dado Sodi e Júnior Melo
Produção local: Anna Polistchuk
Edição gráfica: Java Araújo
Clipagem: Oficina brasileira de clipping 
Filmagem e fotografia: William Oliveira | 7ª Arte Cinema
 
SERVIÇO
Oficina: Estética do Oprimido
Local: CAIXA Cultural São Paulo Praça da Sé, 111 - Centro, próximo à estação Sé do Metrô
Data: De 03 a 08 de outubro de 2017
Horário: Das 14h às 18h (terça a domingo)
Carga horária: A oficina terá carga horária total de 24 horas-aula.
Informações(11) 3321-4400
Inscrições: Gratuitas através do site www.nextope.com - inscrições até 25 de setembro de 2017
Classificação Indicativa: 18 anos.
Público alvo: Artistas, estudantes, educadores e educadoras, surdos/as e ouvintes, que desejem utilizar o Teatro do Oprimido no ensino das artes, pedagogia e áreas afins.
Acesso para pessoas com deficiência
Capacidade: 25 participantes
Entrada franca
Tel.: 3321-4400
Assessoria de imprensa do projeto: Não
Patrocínio: Caixa Econômica Federal
Artigos Relacionados

Redes


Redes Sociais
Podcultura


Participe de Nossas Redes



Cadastro de Profissionais

http://www.podcultura.com.br/userfiles/_a5f5d60de96cb523ff8cf4b794f081e81489422861.jpg
Sucessos no YouTube
     
 
 
     
Podcultura pretende lançar em 100 YouTubers com canais em português e 30 em espanhol. Instasérie aborda a importância das arvores.
+ Lidas
1. Podcultura pretende lançar em 100 YouTubers com canais em português e 30 em espanhol.
2. Estreia dia 05 de maio #instaserie " A Casa das Letras"
3. Editor Chefe
4. Colunista - Miguel Ricardo Camilo
5. Todas Matérias Anteriores postadas desde 2001 estão em nosso blog
http://www.podcultura.com.br/userfiles/_a94274a7f1110dbe5133e46b6b30c3c51489422744.jpeg
Cadastro de Técnicos Cadastro de Artistas Busca de Profissionais
Todos os direitos reservados Podcultura desde © 2001. instagram.com/sandracamillo