Vida Sana

4 de mar de 2019

Aos 93 anos, o artista Antonio Arney é homenageado com o lançamento de livro no Museu Oscar Niemeyer



Lançamento acontece no dia 14 de março com a presença do artista e dos autores da publicação


A trajetória artística de Antonio Arney é celebrada no livro “Comparação de Valores – Antonio Arney”, a ser lançado no Museu Oscar Niemeyer (MON), no dia 14 de março. A obra, organizada pela pesquisadora Giselle de Moraes, traça um panorama dos 50 anos de produção do artista paranaense e apresenta textos referenciais de importantes críticos como Adolfo Montejo Navas, Artur Freitas, Eduardo Rocha Virmond, Eliane Prolik e Fernando Bini. “Arney é um personagem importante das artes visuais e a publicação de um livro sobre sua riquíssima obra ainda era uma lacuna a ser preenchida. São mais de 50 anos de uma intensa produção artística e uma trajetória com participações em importantes exposições do país”, conta a organizadora da publicação, Giselle de Moraes.
 
Nascido em Piraquara em 1926, Antonio Arney é autodidata e tem a madeira como principal matéria-prima de seu trabalho. Aprendeu o ofício de marcenaria com seu pai. Suas montagens revelam uma influência da arte construtiva e unificam elementos geométricos a materiais usados e de rejeitos, trazendo uma discussão muito atual sobre arquitetura, tempo e memória.

Sua trajetória profissional começou em Curitiba, no final dos anos 1950, quando integra o Círculo de Artes Plásticas. Desde então destacam-se oito premiações no Salão Paranaense e a participação em importantes mostras nacionais e internacionais, entre elas: I e II Panorama de Arte Atual Brasileira – MAM/SP (1969 e 1970); XI Bienal Internacional de São Paulo (1971); Brasil Plástica 72; I e III Salão Nacional de Artes Plásticas (1978 e 1980), no Rio de Janeiro.
 
O livro “Comparação de Valores – Antonio Arney” foi viabilizado por meio do Programa Municipal de Incentivo à Cultura – PAIC e incentivado pela Caixa Econômica Federal.
 
 
 
Serviço:
 
Lançamento do livro “Comparação de Valores – Antonio Arney”
 
com a presença do artista Antonio Arney e dos autores Eduardo Virmond, Eliane
 
Prolik, Fernando Bini e Giselle de Moraes. Mediação de Rafaela Tasca.
 
Data: 14/03/2019, quinta-feira, das 19h às 21h.
 
Local: Museu Oscar Niemeyer (Miniauditório). Rua Marechal Hermes, 999.
 
Curitiba, Paraná
 
Entrada franca. Os livros serão distribuídos gratuitamente aos participantes
 
mediante preenchimento da ficha de inscrição no local.

Na literatura ou na vida: Não somos obrigadas a nada!



Depois do lançamento dos meus livros “O garoto do cachecol vermelho” e “A garota das sapatilhas brancas”, recebi muitas mensagens e e-mails de leitoras contando que passaram por abusos como a personagem Melissa, e que se inspiraram na coragem da personagem para denunciar os agressores.
 “Eu senti medo, tive dúvidas se deveria denunciar. Só que, se eu o protegesse, com certeza ele faria aquilo de novo; se não comigo, com outra. E eu seria, de certa forma, cúmplice dessa violência”. (trecho do livro O garoto do cachecol vermelho)
 Todos os relatos me inspiraram a escrever esta crônica, principalmente para o Dia Internacional das Mulheres, pois me dei conta da força e da importância que a literatura tem na vida das pessoas. E do quanto é importante o autor ser consciente quando escreve suas histórias.
A violência contida nas histórias me emocionou e entristeceu, mas a coragem que essas leitoras tiveram de dar um basta em tudo o que estavam passando, me trouxe um alivio imenso, pois tive a certeza que consegui passar a mensagem certa, de que toda violência deve ser denunciada, que não devemos nos calar. Dá medo, mas calar é o mesmo que aceitar, permitir que o agressor faça o mesmo com outras mulheres.
Nós, escritores, somos formadores de opinião. Quem lê nossas histórias são sempre tocadas por elas de alguma forma, e devemos usar nosso amor pelas palavras para levar a mensagem certa. Não podemos romantizar nenhum tipo de abuso, seja ele de cunho físico ou psicológico. Não devemos tornar algo como um namorado batendo em uma mulher, ou um cara lindo e rico abusando emocionalmente de uma garota, em algo romântico.
 A submissão não salva e nem transforma ninguém em uma pessoa boa! 
Geralmente é isso que vemos em algumas histórias: essa mensagem de que se você for boazinha e submissa, aquele cara lindo e rico, que te xinga, bate, se aproveita de uma situação de poder para te humilhar, vai se transformar em um príncipe encantado e te amar para o resto da vida.
Ser mulher não é ser fraca, submissa, oprimida. Ser mulher deve ser significado de empoderamento.  E já passou da hora de nós nos apossarmos disso!
O fato de tudo ser permitido na literatura não significa que tudo pode ser feito sem responsabilidade. Imagine se as leitoras dos relatos que recebi tivessem lido uma Melissa aceitando o abuso que sofreu? Qual teria sido a repercussão que isso teria tido na vida dela? Será que ela teria denunciado seu agressor?
Quem ama de verdade não faz sofrer, não abusa, não humilha, não maltrata, não espanca.
Já é passada a hora de nós nos unirmos para fazer deste um mundo melhor, com mais compaixão, respeito e aceitação. Devemos nos unir em prol de algo que vai muito além da busca por sermos lidos. Devemos nos unir para tornarmos a vida dos nossos leitores melhor. E tomo também para mim, minhas palavras.
Espero ver uma literatura nacional forte, com os autores recebendo o reconhecimento que merecem, tendo destaque nas livrarias de todo o país, e conquistando o mundo. Mas para isso, precisamos mostrar que não é “romântico” a violência. Coisas como: abuso, maus tratos, homofobia, transfobia, racismo, criminalidade e palavras preconceituosas por causa de características físicas não são aceitáveis. Devemos escrever sobre esses temas com a consciência de que também temos que mostrar que para toda ação, existe uma reação. Que atos como esses não são “bonitos e românticos”.
E deixo um recadinho para minhas anjinhas leitoras:
Você é especial, maravilhosa e poderosa. Ninguém pode tirar o brilho que você tem dentro do seu coração. Ele pode estar meio apagado, escondido pela dor, ou pelo sofrimento, mas ele está aí, só esperando que você o deixe sair. Ninguém pode te fazer sofrer ou te humilhar. Não aceite ser menosprezada ou subjugada por ninguém! Você merece ser amada, ser valorizada, ser respeitada!

E lembre-se: VOCÊ NÃO É OBRIGADA A NADA!
Que o Dia Internacional da Mulher as palavras de “parabéns pelo seu dia” sejam trocadas por atos de respeito e reconhecimento

Sommelier e chef indicam harmonizações para um jantar rápido, leve e muito saboroso no carnaval


Para acompanhar um bom vinho, confira o passo a passo de uma deliciosa bruschetta de Funghi e Parma.

Aproveitar o feriado e o calor na praia, pular e dançar nos bloquinhos e trios elétricos, ou simplesmente aproveitar a data em casa, fugir do barulho e relaxar? Independente da escolha, o vinho é uma excelente opção de bebida para aproveitar o feriado. Lanches rápidos e práticos fazem sucesso nesses dias de festa.

Para deixar tudo mais delicioso, o Chef Junior Ventura, proprietário da Portus Padaria Artesanal, a primeira padaria artesanal de Blumenau (SC), sugere uma receita leve e prática, tanto para um lanche rápido ou um jantar com a família e amigos: a bruschetta de Funghi e Parma.

O Chef explica que o protagonista desta receita, sem dúvidas, é o pão. "É importante apostar em um pão de fermentação natural de qualidade. Ele fará toda diferença no resultado final", comenta.

Para acompanhar, o sommelier da Enoteca Decanter, Sidney Lucas, sugere um bom vinho. Sidney destaca que nesta época do ano, os vinhos Rosés fazem sucesso entre os foliões.

"Caracterizado pela leveza, frescor e pela praticidade na hora da harmonização, a bebida é perfeita para acompanhar pratos leves e preparados de forma simples e prática", comenta.

A dica é apostar no PradoRey Rosado Fermentado em Barrica 2016. "De cor cereja, o vinho possui aroma frutado, mesclado com baunilha e levemente tostado", finaliza.

Receita do Chef:
Bruschetta de Funghi e Parma

Ingredientes:

4 fatias de pão artesanal tradicional de fermentação natural

200g de queijo mussarela ralado

100g de funghi secchi

100g de presunto parma

2 ramos de tomilho

1/2 cebola

Sal e pimenta a gosto

Azeite de oliva

4 ramos de alecrim

Modo de Preparo:
Hidrate o funghi em 500ml de água e 20ml de vinho branco ou conhaque. Deixe de molho por 30 minutos. Escorra e doure na panela com o azeite de oliva, a cebola, o tomilho, alecrim e sal.
Em uma assadeira posicione as fatias de pão artesanal, sobre elas coloque o queijo mussarela ralado, o funghi e leve ao forno para derreter o queijo e tostar o pão. Assim que sair do forno, posicione as fatias de presunto parma levemente colocado sobre o funghi e finalize com um raminho de alecrim e regue com azeite de oliva.

E pronto, delicie-se!

Mini Ninhos Crocantes


àIngredientes:

Ninhos:

·         2  claras
·         Sal, pimenta do reino a gosto
·         1 embalagem de Filés de Atum com Azeite de Oliva Gomes da Costa (125g)
·         Farinha de trigo para empanar
·         2 unidades de ninho de macarrão tipo cabelo de anjo/eletria (70g)
·         Óleo para fritar

Molhos:

·         1 pote (pequeno) de maionese (250ml)
·         Meia colher (chá) de curry
·         1 colher (sopa) de catchup
·         Meia colher (chá) de molho inglês
·         1 colher (sopa) de mostarda

è Modo de Preparo:

Ninhos:

·         Bata levemente as claras em neve. Tempere com sal e pimenta do reino.
·         Retire os Filés de Atum Gomes da Costa da embalagem, reserve o óleo. Retire o excesso de óleo dos filés com a ajuda de um papel absorvente.
·         Corte os filés em pedaços de 1,5cm. Passe os pedaços de filé na farinha de trigo de maneira que fiquem totalmente cobertos por uma camada fina de farinha. Em seguidas passe-os pelas claras temperadas e pelo macarrão previamente quebrado.
·         Frite em óleo quente, escorra em papel absorvente.

Molhos:

·         Divida o conteúdo do pote de maionese em 3 porções, em cada uma delas acrescente o óleo dos filés também dividido em 3 porções. Na primeira porção junte o curry, na segunda o catchup e o molho inglês e na terceira a mostarda. Misture até obter misturas homogêneas.
·         Sirva os ninhos com os molhos.

DICA DE CHEF

  •  Quebre o macarrão apertando bem os ninhos com as mãos.
  • Ao empanar os filés com o macarrão quebrado aperte a bolinha para fixar melhor o macarrão no empanado.

VARIAÇÃO

Misture orégano na farinha de trigo.