Vida Sana

27 de nov. de 2019

EDITORA PEIRÓPOLIS LANÇA "LÁ NO MEU QUINTAL", DE GABRIELA ROMEU E MARLENE PERET



A obra retrata o universo do brincar nos quintais de crianças de norte a sul do Brasil



FICHA TÉCNICA:

Lá no meu quintal - O brincar de meninas e meninos de Norte a Sul
Editora: Peirópolis
Autor: Gabriela Romeu e Marlene Peret
Ilustrações: Kammal João
Fotografias: Samuel Macedo
Formato: 19 x 25 cm
Páginas: 127
ISBN: 978-85-7596-646-4
Preço: 68,00

A Editora Peirópolis lança o livro “Lá no meu quintal - O brincar de meninas e meninos de Norte a Sul”, que traz o universo das brincadeiras de crianças de cinco regiões brasileiras, onde a folha vira cata-vento, pique é no pequizeiro e o rio garante a diversão. Escrito pelas jornalistas Gabriela Romeu e Marlene Peret, o livro faz parte da Coleção Retratos de Criança.
O brincar é uma espécie de língua-mãe da infância. E foi exercitando essa língua que as autoras, em parceria com o fotógrafo Samuel Macedo, percorreram e conheceram nos últimos anos o país, conectando-se com as crianças das beiradas de rios, dos grandes centros urbanos, de comunidades quilombolas e povos indígenas – algumas regiões próximas, e outras bem distantes.


A obra traz o cotidiano das crianças em seus quintais e os muitos jeitos de experienciar a infância. Seja em uma cidade grande ou pequena, comunidade ribeirinha ou quilombola, o brincar é o que une todas as infâncias, de norte a sul. “Compartilhamos no livro brincadeiras que encontramos, aprendemos e exercitamos nas cinco regiões brasileiras, mas vale ressaltar que os brincares não estão circunscritos a um só território, a uma só região, circulam livremente e vão mudando, de lugar para lugar, de geração para geração. Para a infância, brincar, um gesto espontâneo, é tão essencial quanto respirar”, conta Gabriela Romeu.
Durante as viagens, as autoras foram descobrindo que restos de coisas e elementos da natureza eram a essência (e a potência) do brincar. “Em cada um dos quintais conhecemos as matérias-primas que crianças usam para criar e construir com o que têm no entorno seu próprio mundo – e seus brincares. E, no livro, nós também convidamos o leitor a elaborar quais são as vivências do seu próprio quintal. Além de compartilhar repertórios de brinquedos e brincadeiras, o livro é um convite para que todos, crianças e adultos, se conectem com seus brincares e seus quintais, tanto geográficos quanto simbólicos”, explica a jornalista.
A autora conta que, desde que iniciou seu trabalho como jornalista, as reportagens que mais a instigavam eram aquelas que falavam sobre diferentes realidades infantis. Por causa do jornalismo, sempre viajou muito pelo Brasil conhecendo a vida das crianças e, de certa forma, seus quintais. A ideia do livro, segundo ela, vem do desejo antigo de criar pontes entre as diversas realidades de infância, abrir janelas para outras narrativas infantis, muitas vezes invisíveis, e fortalecer identidades de diferentes grupos.
A viagem pelos quintais do país se iniciou em 2011, e os registros estão nos textos, fotos, vídeo e áudios reunidos no livro, permeado de narrativas, repertórios e experiências compartilhados pelas crianças em seus quintais – o rio e a floresta, a rua ou os fundos da casa. “No caminho, o principal aprendizado foi desaprender. Como adulto, a gente tem que desaprender muito para aprender com as crianças. E assim conhecer como elas descobrem o mundo, como dão soluções para seus desafios cotidianos. As crianças são cheias de saberes, e é muito significativo conhecer a perspectiva infantil de mundo”, ressalta a autora.

Sobre as autoras

Marlene Peret
Jornalista especializada em terceiro setor e empreendedorismo social pela FGV/SP e pesquisadora da infância. Implantou e coordenou o Prêmio Empreendedor Social, organizado pela Folha de S.Paulo em parceria com a Fundação Schwab (Genebra/Suíça). Por muitos anos (2005-2012) viajou pelo país para documentar projetos sociais, muitos deles ligados à infância. Entre outros trabalhos feitos para a Folha, participou do projeto Mapa do Brincar, e é uma das idealizadoras do Infâncias  (www.projetoinfancias.com.br), que desde 2011 está documentando os saberes, viveres e fazeres das crianças em diferentes regiões do país. É coautora do livro Lá no meu quintal (Peirópolis).
Gabriela Romeu
É jornalista, documentarista e escritora, especializada em produção cultural para infância, com vinte anos de atuação em projetos que abordam temáticas infantis e desenvolvidos em diferentes plataformas, como livros, documentários, sites e exposições. Há 20 anos escreve para o jornal Folha de S.Paulo, em que editou o caderno Folhinha, coordenou o projeto Mapa do Brincar (Grande Prêmio Ayrton Senna de Jornalismo), escreveu diversas reportagens sobre as realidades infantis brasileiras e há 15 anos atua na crítica de teatro infantil para o Guia da Folha. Integra juris de prêmios como a APCA (Associação Paulista de Críticos de Arte), além de diversas comissões de avaliação ligadas à produção cultural para a infância. Atua como roteirista e diretora de documentários sobre e para crianças, alguns deles premiados em festivais do Brasil e do exterior, como Disque quilombola e Meninos e reis. Foi cocuradora da exposição Trilhas do brincar, que circulou por três unidades do Sesc-SP, e das instalações Inventário dos cabinhas e Na rua dos meninos, também em parceria com unidades do Sesc. É autora e coautora de livros que criam pontes entre diferentes realidades infantis, como Terra de cabinha - Pequeno inventário da vida de meninos e meninas do sertão (Peirópolis; Prêmio Jabuti, FNLIJ e Cátedra Unesco), Tutu-moringa, história que tataravó contou (Companhia das Letrinhas), Álbum de família - Aventuranças, memórias e efabulações da trupe familiar Carroça de Mamulengos (Peirópolis), Lá no meu quintal – O brincar de meninas e meninos de norte a sul (Peirópolis) e Menininho (Panda Books), entre outros. É diretora do projeto Infâncias (www.projetoinfancias.com.br), que desde 2011 registra os saberes, fazeres e viveres das crianças por muitos Brasis.
Samuel Macedo – Fotógrafo
Nasceu no Cariri/CE e hoje viaja o país inteiro fotografando a infância de meninos que nem ele um dia foi. “A vontade de fotografar e filmar foi crescendo junto comigo e, na Fundação Casa Grande, com um grupo de cabinhas, criamos a TV Casa Grande, nosso próprio canal de TV. Lá aprendi a filmar, editar, fotografar, mas principalmente escutar e gostar das histórias que ia ouvindo. Na Casa Grande, eu me formei fotógrafo e de lá saí para ver e registrar as belezas do meio do mundo. Hoje venho encontrando com outras histórias Brasil afora e há quatro anos fotografo meninos e meninas de norte a sul em parceria com o projeto Infâncias.”

Sobre a Editora Peirópolis
Criada em 1994, a Editora Peirópolis tem como missão contribuir para a construção de um mundo mais solidário, justo e harmônico, publicando literatura que ofereça novas perspectivas para a compreensão do ser humano e do seu papel no planeta. Suas linhas editoriais oferecem formas renovadas de trabalhar temas como ética, cidadania, pluralidade cultural, desenvolvimento social, ecologia e meio ambiente – por meio de uma visão transdisciplinar e integrada. Ao longo dos últimos 25 anos, a Peirópolis vem desenvolvendo um sólido e marcante catálogo de literatura infantil e juvenil, em que o brincar, a cultura da infância e a diversidade cultural estão em destaque.

Para saber mais sobre a Peirópolis, acesse www.editorapeiropolis.com.br

Agenda:
8 de dezembro, domingo, das 10h às 18h, na Casa Tombada (R. Min. Godói, 109 - Perdizes, São Paulo – SP).

Nenhum comentário: